Artigos para Festa Sorocaba | Produtos de Festa Sorocaba



Artigos para Festa Sorocaba | Produtos de Festa Sorocaba



Artigos para Festa Sorocaba | Produtos de Festa Sorocaba



Artigos para Festa Sorocaba | Produtos de Festa Sorocaba



Telefone: (15) 3211-5841
Facebook Instagram
Notícias

RSS Feed - Mantenha-se Informado


19/06 - Veja os destaques do Globo Rural deste domingo (20/06/2021)
O programa vai ao Paraná mostrar o biodigestor construído por produtores para gerar a própria energia elétrica e até mesmo comercializar o serviço. Veja os destaques do Globo Rural deste domingo (20/06/2021) O Globo Rural deste domingo (20) mostra como produtores rurais do oeste do Paraná estão gerando a sua própria energia elétrica a partir de dejetos de animais. Assista a todos os vídeos do Globo Rural Tem ainda a falta de mão de obra para colher café conilon no Espírito Santo, as consequências da seca no plantio do Mato Grosso e no Centro-Sul e a maior área plantada de trigo dos últimos 7 anos no Rio Grande do Sul. Não perca, o Globo Rural começa a partir das 8h30. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural
Veja Mais

19/06 - Conta de luz: entenda a cobrança e para onde vai o seu dinheiro
Conta cobre os custos de distribuição, transmissão e geração de energia elétrica. Também tem a incidência de tributos federais e estaduais, além da bandeira tarifária em vigor. A conta de luz tem pesado no bolso do brasileiro e essa realidade não deve mudar tão cedo. Em maio, a alta foi de 5,37%. Ao pagar a conta de luz, o dinheiro do consumidor vai para a distribuidora, que funciona como uma grande arrecadadora. Ela é responsável por repassar parte do valor para toda as empresas da cadeia do setor elétrico e enviar a fatia dos tributos e taxas para União, governos estaduais e prefeituras. Conta de luz: entenda por que ela está mais cara, e por que deve continuar a subir Em maio, energia elétrica saltou 5,37% e puxou o IPCA. O valor da conta de energia elétrica incorpora os seguintes custos e tributos: Custos de distribuição, transmissão e geração de energia elétrica; Tributos: PIS e Cofins (federais) e ICMS (estadual e que varia entre os estados); Encargos setoriais: utilizados para cobrir os custos do setor elétrico, como subsídio para clientes de baixa renda; Pode ter uma taxa para as prefeituras para a manutenção do sistema de iluminação pública; Bandeira tarifária. Atualmente, está em vigor o patamar 2 da bandeira vermelha, que adiciona R$ 6,243 na conta para cada 100 kWh. "A distribuidora tem dois trabalhos. O primeiro é distribuir energia, e o segundo é que ela funciona como uma grande arrecadadora”, afirma Iuri de Oliveira Barouche, responsável pela regulação da Enel em São Paulo. "Ela arrecada o dinheiro e repassa os recursos para (as empresas de) geração e transmissão." Nem todo o valor pago na conta vai de energia para a distribuidora. Em São Paulo, por exemplo, de cada R$ 100 pagos pelo consumidor, R$ 17 ficam com a Enel. Veja como é distribuição: Custo da energia (33,8%); Tributos (25,3%, sendo 20,8% de ICMS e 4,5% de PIS/Cofins); Custo de distribuição (17,4%); Encargos setoriais (13,4%); Custo de transmissão (10,1%). Veja abaixo mais detalhes da conta de energia: Entenda a conta de energia elétrica G1 Vídeos: Últimas notícias de economia
Veja Mais

19/06 - Auxílio Emergencial 2021: Caixa paga 3ª parcela a 2,06 milhões de nascidos em fevereiro
Para os trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, pagamentos começaram na quinta-feira (17). A Caixa Econômica Federal (Caixa) paga neste sábado (19) a terceira parcela do Auxílio Emergencial para 2,06 milhões de trabalhadores nascidos em fevereiro, inscritos no programa por meio do site e do aplicativo, além daqueles que fazem parte do Cadastro Único, mas estão fora do Bolsa Família. Terei direito? Quanto vou receber? Veja perguntas e respostas Veja o calendário completo Veja como saber se você vai receber Saiba como contestar se você teve o beneficio negado Beneficiário precisa estar com o CPF regular; saiba como fazer SAIBA TUDO SOBRE O AUXÍLIO EMERGENCIAL A ajuda paga neste sábado será creditada em conta poupança social digital da Caixa, que poderá ser usada inicialmente para pagamento de contas e compras por meio do cartão virtual. Saques e transferências para quem receber o crédito neste sábado serão liberados no dia 2 de julho. (veja nos calendários mais abaixo). Auxílio emergencial 2021: entenda as regras da nova rodada VEJA QUEM RECEBE NESTE SÁBADO: trabalhadores que não fazem parte do Bolsa Família, nascidos em fevereiro Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial, pelo site auxilio.caixa.gov.br ou pelo https://consultaauxilio.cidadania.gov.br/ Calendários de pagamento Veja abaixo os calendários de pagamento. BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA Segundo o Ministério da Cidadania, 9,77 milhões de famílias receberão a terceira parcela do Auxílio Emergencial 2021. Auxílio Emergencial 2021 Bolsa Família Economia G1 BENEFICIÁRIOS FORA DO BOLSA FAMÍLIA Auxílio Emergencial calendário completo 15.06.21 Economia G1 VÍDEOS: as últimas notícias sobre o Auxílio Emergencial
Veja Mais

19/06 - Vereador de SP tem celular furtado no trânsito, e bandidos limpam dinheiro de contas bancárias
Em menos de duas horas, criminosos desviaram R$ 67 mil das contas de Marlon Luz, por meio de aplicativos de bancos. Telefone estava desbloqueado; segundo especialista em segurança digital, isso facilita para os bandidos na hora de obter dados e mudar senhas. Vereador Marlon Luz tem celular roubado e ladrões limpam conta bancária O celular do vereador Marlon Luz (Patriotas) foi furtado na noite desta quinta-feira (17) quando o parlamentar saía da Câmara de São Paulo, no Centro de São Paulo. Em menos de duas horas, os criminosos desviaram R$ 67 mil de duas contas bancárias, por meio de aplicativos de bancos instalados no telefone. Ao G1, Luz relatou que o carro estava parado em um congestionamento na Avenida 23 de Maio, com o celular iPhone X com a tela desbloqueada e aberto no aplicativo Waze. Nesse momento, um homem estourou o vidro e pegou o aparelho, que estava no painel. Uma câmera de segurança de dentro do veículo registrou a ação. Poucos minutos depois, os criminosos invadiram duas contas bancárias do vereador no aplicativo do Itaú: uma de pessoa física, do Personnalité; e outra jurídica. Eles, então, transferiram R$ 67 mil para uma terceira conta do próprio vereador, no banco Original, que também foi invadida. Em seguida, os bandidos criaram uma chave PIX no app dessa última instituição e repassaram o dinheiro para cinco contas bancárias. O vereador fez dois boletins de ocorrência: um de furto qualificado e outro de estelionato, na delegacia especializada de crimes cibernéticos. "O delegado me disse que se trata de uma quadrilha, com hackers, que rouba a senha pela forma como você digita os números no teclado. Os bancos me pediram cinco dias para darem uma análise da situação", disse o vereador. O G1 pediu à Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) uma entrevista com o delegado responsável pelo caso para que ele explique como seria possível que o acesso às senhas fosse feito pelos criminosos por meio da tela do celular. A pasta disse que iria se manifestar apenas por nota e afirmou que um inquérito policial para investigar o caso foi aberto pela Central Especializada de Repressão a Crimes e Ocorrências (Cerco) da 1ª Seccional. "O policiamento ostensivo e preventivo na região será reforçado. Diligências são realizadas para identificar e responsabilizar o autor do crime", disse a SSP, em comunicado. Segundo o vereador, os criminosos também tentaram invadir as suas contas bancárias do Banco do Brasil e do Santander, mas não conseguiram. "Logo após o furto, eu pedi ajuda a uma viatura da Polícia Militar e tentei bloquear o celular (um Iphone X) pelo site da Apple. Mas o site não localizava o celular. Contudo, o celular continuava funcionando, eu tinha o WhatsApp aberto no computador e continuei recebendo as mensagens normalmente", disse o Luz. "Eu nunca mais terei aplicativo de banco no celular. Não é seguro. É difícil, mas é a única coisa, não conseguem nos garantir segurança." Procurado pelo G1, o Itaú afirmou que seu aplicativo “é seguro e toda transação, para ser aprovada, necessita obrigatoriamente de senha da conta corrente” (leia mais ao final deste texto). O Banco Original não retornou o contato até a última atualização desta reportagem. Já a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) afirmou que os aplicativos de bancos têm "elevado grau de segurança desde o seu desenvolvimento até a sua utilização, não existindo qualquer registro de violação dessa segurança". Como os bandidos conseguem invadir contas? Somente uma investigação poderá esclarecer o caso do vereador. O jornalista Altieres Rohr, que tem um blog sobre segurança digital no G1, explica que, quando um aparelho é pego desbloqueado, é mais fácil para os bandidos obterem dados e mudarem senhas que permitirão acesso a aplicativos como os de bancos. “Mesmo não tendo a senha, você tem tudo na mão pra redefinir a maioria delas”, afirma. Isso porque o aparelho guarda muitas informações que podem facilitar, por exemplo, que uma instituição reenvie uma senha ou redefina esse código por meio de confirmação usando dados como CPF, data de nascimento, nome dos pais etc., que são encontráveis em e-mails e redes sociais, entre outras ferramentas disponíveis no celular. Em seu site, o Itaú informa, por exemplo, que o processo de recuperação da senha eletrônica, usada para acessar seu aplicativo, exige a senha do cartão de débito, além dos números de agência e conta corrente. Em seguida, o banco oferece a validação por SMS ou caixa eletrônico para concluir a mudança da senha do app. O processo de recuperação de senha de acesso à conta do Banco Original consiste em enviar um e-mail para o cliente com um anexo que precisa ser desbloqueado por meio de um código enviado também por SMS. Este arquivo contém uma senha provisória que é usada para acessar a conta e redefinir a senha de acesso. O risco de acesso indevido é ainda maior para quem mantém uma lista de senhas anotadas no próprio aparelho (num e-mail ou bloco de notas etc.). “As pessoas se esquecem que todos os aplicativos de banco, além da autenticação biométrica, sempre vão dar uma forma de autenticação usando a senha numérica. Muitas vezes essa senha numérica está anotada no celular”, afirmou Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky. Mas Marlon Luz afirmou ao G1 que esse não foi o seu caso. Celulares desbloqueados permitem explorar falhas que podem dar acesso a praticamente tudo no telefone, violando certas medidas de segurança adotadas pelos apps, lembra Altieres Rohr. Ele cita o caso do "checkm8", que explora uma vulnerabilidade no código de inicialização do chip, que não pode ser modificado após a fabricação. Por essa razão, a falha é considerada incorrigível e pode afetar todos os modelos de iPhone desde o 4S até o X (excluindo, portanto, XR, XS e a linha 11 e 12), além de diversos modelos de iPad e Apple TV. Rohr explica que é mais difícil usar o "checkm8" no iOS 14, a versão mais nova do sistema da Apple, o que também mostra a importância de manter o iOS atualizado, mesmo em modelos antigos. Porém, segundo ele, não é impossível que essas dificuldades sejam superadas. Celular roubado? Apague os dados imediatamente A primeira providência a ser tomada no caso de roubo ou perda, estando o aparelho desbloqueado ou não, é apagar os dados remotamente. Isso pode ser feito acessando as páginas que a Apple (no caso do iPhone) e o Google (para celulares com o sistema Android) criaram para localizar dispositivos perdidos. Veja como fazer no iPhone Veja como fazer no Android Só depois de ter os dados apagados, comunique a operadora de que o aparelho foi roubado, para que sua linha seja bloqueada. Se você fizer isso antes de deletar os dados e a linha for cancelada e seu smartphone ficar sem internet, o comando para limpar o dispositivo não vai chegar. O comando também não vai funcionar se o aparelho tiver sido colocado em modo avião após o roubo, o que pode ter sido o caso do vereador. No site, a Apple informa que "se o aparelho estiver off-line , ele será apagado remotamente na próxima vez que estiver on-line". Se o comando falhar, entre em contato com seu banco imediatamente e confirme que nenhuma atividade indevida foi realizada em sua conta. Troque também todas as senhas das contas cadastradas em seu smartphone, incluindo redes sociais e e-mail. Por fim, siga estes passos: registre um boletim de ocorrência – procure o site da delegacia eletrônica do seu estado e faça um boletim de ocorrência; e bloqueie o IMEI do celular – com o boletim de ocorrência, entre novamente em contato com a operadora para solicitar o bloqueio do IMEI. A partir do bloqueio do IMEI, o aparelho ficará impedido de conectar a redes móveis, diminuindo as chances de que o ladrão possa revender ou utilizar o aparelho normalmente. VÍDEO: Saiba o que fazer se seu celular for roubado O que dizem os bancos O Itaú diz que orienta aos clientes não anotar senhas em aplicativos, e-mails ou mensagens, além de não repetir senhas e sempre usar o bloqueio de tela do celular. “Informamos ainda que todas as comunicações de golpes ou sinistros sofridos por nossos clientes são avaliadas de forma minuciosa e individualizada, não havendo, portanto, uma solução padrão para todos os casos”, informou a instituição. Por conta dos relatos de roubos de celulares para acessar aplicativos de bancos, o Procon-SP notificou instituições financeiras nesta sexta-feira (18), pedindo explicações sobre seus métodos de segurança. Entre as empresas notificadas estão, Itaú, Bradesco, Santander, Caixa, Banco do Brasil, Nubank, Banco Inter, BMG, Banco Pan, C6 e Neon. A notificação também se estendeu à Febraban, à Associação Brasileira de Bancos (ABBC) e à Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs). As instituições têm até 30 de junho para responderem aos questionamentos do órgão.
Veja Mais

18/06 - Diesel, etanol e gasolina têm altas discretas nos postos nesta semana, diz ANP
Embora discreta, alta da gasolina (+0,10%) foi suficiente para levar o combustível à sua décima semana consecutiva de reajuste. Preço do combustível assusta consumidor em Ribeirão Preto, SP Reprodução/EPTV O preço médio do óleo diesel nos postos de combustíveis do Brasil registrou uma leve alta em relação à anterior nesta semana, em movimento acompanhado também pelas cotações de gasolina e etanol, indicou pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira (18). Segundo o levantamento da reguladora, o preço médio do diesel nas bombas subiu 0,35% ao longo da última semana, atingindo R$ 4,508 por litro. O combustível mais consumido do Brasil tem se mantido sem alterações bruscas desde meados de maio, após um salto registrado no começo do mês passado, quando terminou o período de dois meses pelo qual vigorou a isenção do PIS/Cofins incidente sobre o produto. Desde a semana encerrada em 22 de maio, o preço médio do diesel acumula ganho de 0,58%, de acordo com a ANP. A gasolina também verificou um leve aumento de 0,10% nesta semana, para valor médio de R$ 5,682 por litro. Embora discreto, o movimento foi suficiente para levar o combustível à sua décima semana consecutiva de altas. Concorrente direto da gasolina nas bombas, o etanol teve variação positiva de 0,3% no período, alcançando preço médio de R$ 4,401 por litro. A Petrobras reduziu o valor da gasolina em suas refinarias em 2% no último sábado, no primeiro reajuste desde o começo do mês passado. A cotação do diesel vendido pela estatal, por sua vez, permanece inalterada desde 1º de maio. Os preços nos postos, no entanto, não acompanham necessariamente e de imediato os valores nas refinarias, e dependem de uma série de fatores, incluindo impostos, mistura de biocombustíveis e margens de distribuição.
Veja Mais

18/06 - Grupo Pardini adquire Laboratório Paulo C. Azevedo por R$ 127 milhões
Líder no mercado de medicina diagnóstica no Pará, laboratório possui 22 unidades em Belém e em mais seis municípios. Fachada de loja do laboratório Hermes Pardini Filipi Abras/Hermes Pardini O Grupo Hermes Pardini fechou no fim da tarde desta sexta-feira (18) um acordo para adquirir 100% do Laboratório Paulo C. Azevedo, pelo valor de R$ 127 milhões. Fundado em 1941, o Laboratório Paulo C. Azevedo é líder no mercado de medicina diagnóstica do Pará. O laboratório possui 22 unidades em Belém e em mais seis municípios e emprega 600 pessoas. O laboratório também atende quatro hospitais no Estado. No ano passado, o Laboratório Paulo C. Azevedo realizou 4,5 milhões de exames e atingiu uma receita bruta de R$ 82 milhões, de acordo com o Grupo Pardini. Essa receita corresponde a cerca de 5% do faturamento do Grupo Pardini em 2020. A aquisição, de acordo com a companhia, faz parte dos esforços de expansão das operações para todas as regiões do país. O Grupo Pardini informou que pretende instalar no curto prazo um novo núcleo técnico avançado para realização, com mais agilidade, de exames vindos de laboratórios parceiros da região Norte. “Estamos certos de que a aquisição no Pará irá gerar valor não só aos pacientes, mas também aos médicos, operadoras de saúde, hospitais e laboratórios. Toda a cadeia de saúde será beneficiada”, afirmou, em comunicado ao mercado, Roberto Santoro, diretor-presidente do Grupo Pardini. A companhia, fundada em 1941, informou que pretende ampliar a oferta de exames de alta complexidade no Pará a partir dessa aquisição. O Grupo Pardini fechou o primeiro trimestre do ano com lucro de R$ 50 milhões, em alta de 217,7% em relação ao mesmo período de 2020. A receita líquida avançou 54,9%, para R$ 477,5 milhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) foi de R$ 106,4 milhões, com alta de 110,6%. Dono de 13 marcas de laboratórios, o Grupo Pardini opera 148 unidades próprias em cinco Estados e emprega 6 mil pessoas. A companhia tem parcerias com 6,4 mil laboratórios e hospitais no país.
Veja Mais

18/06 - Relator da MP sobre redução de jornada estuda incluir volta do programa de emprego para jovens
Christino Áureo (PP-RJ) é relator da MP que permite redução de jornada e salário durante pandemia. Programa que buscou estimular contratação de jovens acabou em abril de 2020. O deputado Christino Áureo (PP-RJ), relator da medida provisória que permite a redução de jornada e salário durante a pandemia, afirmou que estuda incluir no relatório a retomada do programa Verde Amarelo, que buscava incentivar a contratação de jovens. A ideia é criar o Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego (Priore). O Verde Amarelo foi anunciado pelo governo no fim de 2019 e terminou em abril de 2020, quando foi revogado pelo presidente Jair Bolsonaro. Na ocasião, a medida provisória que criou o programa não obteve consenso no Congresso Nacional e perderia validade. Medidas provisórias têm força de lei assim que publicadas no "Diário Oficial". Precisam, contudo, ser aprovadas pelo Congresso em até 120 dias para se tornar leis em definitivo. A ideia do deputado Christino Áureo é incluir na MP sobre redução de jornada a retomada do programa Verde Amarelo. A medida provisória precisa ser aprovada até 7 de setembro. >>> Veja no vídeo abaixo que em 2020 o desemprego registrado entre jovens chegou a ser o dobro da média da população brasileira: Desemprego entre jovens é o dobro da média da população no Brasil Estímulo à contratação de jovens Quando foi lançado pelo governo, em 2019, o programa Verde Amarelo previa incentivos à contratação formal de jovens de 18 a 29 anos que nunca tiveram emprego formal. As empresas que contratassem esses jovens pagavam menos tributos e encargos trabalhistas. Segundo o governo, o programa reduzia de 30% a 34% os custos para o empregador, pois: reduzia a contribuição para o FGTS de 8% a 2% (depois, ao passar pela Câmara, os deputados voltaram à alíquota de 8%); empregadores não precisavam pagar a contribuição patronal ao INSS, que é de 20% sobre a folha; valor da multa do FGTS em caso de demissão podia ser reduzido a 20% sobre o saldo, em comum acordo entre empregador e trabalhador; não eram devidas alíquotas do Sistema S; não havia recolhimento do salário educação (pago pelas empresas para o financiamento de projetos do ensino público). O deputado estuda retomar parte desses benefícios, acrescentando as regras do programa para pessoas acima de 55 anos. Pela proposta em elaboração: Os contratos de trabalho terão duração de dois anos; Os contratos poderão ser assinados até 31 de dezembro de 2022 (valendo até 31 de dezembro de 2024); Expirado os dois anos, o empregado precisará migrar o trabalhador para o contrato convencional de trabalho, com todos os encargos trabalhistas. Segundo Áureo, a retomada do programa tem possibilidade de gerar 3 milhões de empregos. Articulação O deputado ainda negocia os pontos do novo programa com o governo e setores da economia. O objetivo também é evitar resistências no Congresso. A previsão é que a versão preliminar do relatório de Áureo fique pronta na última semana de junho. O relator também considera a possibilidade de "encaixar" na MP alguns outros programas cogitados pelo governo e que têm apoio no Congresso, como o Bônus de Inclusão Produtiva (BIP) e Bônus de Incentivo à Qualificação (BIQ). O texto precisará ser aprovado pela Câmara e pelo Senado para a modalidade de contratação entrar em vigor novamente.
Veja Mais

18/06 - Curso de desenvolvimento web oferece 10 vagas gratuitas para pessoas trans e travestis
Programa de ensino da Oracle em parceria com empresa de consultoria Transcendemos terá aulas on-line de CSS, HTML, Javascript e empreendedorismo. Oracle e Transcendemos oferece curso para pessoas trans e travestis Alfred Muller/Pixabay A empresa de tecnologia Oracle e a consultoria de diversidade Transcendemos oferecem 10 bolsas integrais para um curso on-line de programação voltado para pessoas que se autodeclaram trans ou travestis. As inscrições vão até a próxima segunda-feira (21). Os currículo começa com uma introdução à lógica de programação e possui aulas de linguagens voltadas para o desenvolvimento web, como CSS, HTML e Javascript. Há ainda um módulo de empreendedorismo, que aborda temas como relacionamento interpessoal, organização pessoal e montagem de planos de negócios. As pessoas interessadas que devem responder um questionário no site da iniciativa. As selecionadas serão avisadas por e-mail até o dia 30 de junho. O curso pode ser finalizado em até 6 meses, com horários flexíveis e exercícios práticos. LEIA MAIS: 'Pessoas trans têm muito a agregar nos espaços corporativos', diz empresária que luta por inclusão e diversidade nas empresas Mulheres empreendedoras que inspiram: Gabriela Augusto
Veja Mais

18/06 - PF vai à casa de Carlos Wizard para cumprir condução coercitiva, mas não encontra empresário
CPI da Covid: saiba quem é Carlos Wizard e por que foi convocado Equipes da Polícia Federal compareceram ao endereço de Carlos Wizard em Campinas (SP), nesta quinta-feira (18), para cumprir a condução coercitiva e levar o empresário para depor na CPI da Covid. Segundo relatório da PF obtido pelo blog, no entanto, Wizard não foi encontrado. "Foi diligenciado ao endereço de CARLOS, sendo que ninguém atendeu ao interfone, mesmo após insistentes tentativas. Porém, quando a equipe estava deixando o local, um indivíduo saiu do imóvel de nº 340 da mesma rua, dirigindo o veículo (...) registrado em nome de PRISCILA ROBERTA MARTINS BERTANI, filha de Carlos Roberto Martins), informando se chamar “JOÃO” e ser funcionário do imóvel em questão (340)", descrevem os policiais. "Ao ser questionado, [João] informou que não vê CARLOS há bastante tempo, mas não prestou maiores informações." A Polícia Federal informa no documento que em seguida foi a um endereço comercial, onde ouviu de uma funcionária das filhas de Carlos Wizard que o empresário estava fora do Brasil. Em consulta no sistema de migrações, a PF diz ter confirmado a informação de que Wizard saiu do país em 30 de março. "Foi verificado no sistema migratório que CARLOS teve como última movimentação migratória a saída do Brasil no dia 30/03/2021, às 08h33min, pelo Aeroporto Internacional de Guarulhos/SP, em voo com destino à Cidade do México, no México, não constando movimento migratório de retorno, motivo pelo qual as informações obtidas nos locais objeto de diligência são verossímeis", diz o relatório. Ana Flor: CPI protocolou pedido de condução coercitiva de Carlos Wizard Além da condução coercitiva, a CPI da Covid também pediu à Justiça que o passaporte de Carlos Wizard seja apreendido tão logo o empresário retorne ao Brasil. Até as 15h30 desta sexta, no entanto, ainda não havia decisão judicial a esse respeito. Wizard foi convocado a depor à CPI como testemunha, e é apontado como um dos supostos integrantes do "gabinete paralelo" que aconselhava Jair Bolsonaro a defender medidas ineficazes no combate à pandemia. O empresário chegou a pedir para ser ouvido de forma remota, mas a CPI rejeitou essa possibilidade. Nesta sexta, o relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), transformou em investigados Wizard e outras 13 pessoas. Intimação recusada Os documentos obtidos pelo blog incluem ainda informações sobre outro problema citado pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM): o fato de a intimação a Carlos Wizard constar no sistema dos Correios como entregue e, em seguida, recusada. Segundo relatório da assessoria parlamentar dos Correios destinado à CPI, houve essa confusão nos registros porque, junto à intimação, o carteiro entregou outro objeto na casa de Carlos Wizard. O recebedor das encomendas, identificado pelos Correios como Marcelo Roque, aceitou o outro objeto, mas se recusou a pegar a intimação da CPI – o que fez o carteiro envolvido no caso atualizar o registro. "Diante da analise ora apresentada, não identificamos nenhuma conduta considera irregular", diz o relatório. O registro do sistema de rastreamento dos Correios (veja foto abaixo) também mostra as duas situações – há a informação de entrega às 13:32 do dia 11 de junho e, um minuto depois, a informação de que o "cliente recusou-se a receber o objeto". Registro dos Correios indica que entrega foi recebida e, em seguida, que foi recusada Reprodução
Veja Mais

18/06 - Governo da BA é indenizado em R$ 2,15 bilhões pela Ford por causa do fechamento de planta industrial no estado
Documento é um termo aditivo a contrato firmado entre as partes em 2014, no qual a empresa se comprometeu a realizar investimentos no Complexo Industrial em contrapartida a ações de fomento e financiamento de capital de giro criadas pelo estado. Ford paga indenização de R$ 2,15 bilhões ao estado após saída da montadora na BA O governo da Bahia foi indenizado em R$ 2,15 bilhões pela Ford por causa do fechamento, em janeiro deste ano, da planta industrial em Camaçari, na região metropolitana de Salvador. A indenização foi resultado de um acordo entre as partes. Eu Te Explico #10: Saída da Ford e situação da indústria baiana em meio à pandemia A Ford informou que não vai se posicionar sobre o assunto. Conforme apurado pelo G1 com fontes do governo baiano nesta sexta-feira (18), o documento é um termo aditivo ao contrato firmado entre as partes em 2014, quando a empresa se comprometeu a realizar investimentos no Complexo Industrial Ford, em Camaçari, em contrapartida às ações de fomento e financiamento de capital de giro criadas pelo estado. Governo da Bahia foi indenizado em R$ 2,15 bilhões pela Ford por causa do fechamento de planta industrial no estado Divulgação Com a decisão da Ford por fechar o complexo em definitivo, os benefícios foram o parâmetro das negociações para chegar ao valor da indenização devida pela empresa, acrescido de correção monetária. No acordo, conforme as fontes do estado, a Ford afirmou que vem trabalhado em estreita colaboração com todos os parceiros de negócio no desenvolvimento de um plano para minimizar os impactos do encerramento da produção, incluindo sindicatos, fornecedores e distribuidores. A empresa reiterou a permanência na Bahia do Centro de Desenvolvimento de Produto, que passará a prestar serviços de pesquisa, desenvolvimento e engenharia automotiva predominantemente ao exterior, preservando não só mão de obra na região como também uma sólida parceria com universidades e centros de pesquisa regionais. Fechamento da Ford no Brasil Trabalhadores da Ford em protesto contra fechamento de fábrica em Camaçari, na Bahia Reprodução/TV Bahia A montadora anunciou no dia 11 de janeiro o encerramento das suas atividades no Brasil após um século. Na Bahia, a Ford estava sediada em Camaçari, na região metropolitana de Salvador. A empresa, que fechou 2020 como a quinta que mais vendeu carros no país, com 7,14% do mercado, continuará comercializando produtos no Brasil. Em comunicado divulgado à época do anúncio, a fabricante disse que a decisão foi tomada "à medida em que a pandemia de Covid-19 amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas". A montadora citou também a recente desvalorização das moedas na região, que "aumentou os custos industriais além de níveis recuperáveis", e mencionou a pandemia e a ociosidade nas linhas de produção, "com redução nas vendas de veículos na América do Sul, especialmente no Brasil". Desde então, acordos com várias categorias e empresas terceirizadas têm sido formalizados. No entanto, protestos foram realizados, com profissionais discordando das posições das empresas e da própria montadora após o desligamento e encerramento do serviço na companhia. Negociações na Bahia Fábrica da Ford em Camaçari, na Bahia Divulgação No dia 5 de fevereiro, a Justiça do Trabalho concedeu uma liminar que suspendia a demissão coletiva de funcionários da fábrica de Camaçari. A decisão proibia demissões até que o acordo entre a empresa e os funcionários fosse encerrado. No dia 23 de fevereiro, cerca de 700 funcionários da Ford retornaram aos postos de trabalho, em Camaçari. A retomada foi, inicialmente, por 90 dias e aconteceu depois de negociações entre o sindicato da categoria e a empresa. Na época, ficou decidido também que outros 327 trabalhadores retornariam em março, 189 em abril e 31 funcionários seriam convocados em maio. Em março, outra decisão judicial suspendeu o desligamento de empregados da Ford que atuam em funções de liderança e supervisão, na fábrica de Camaçari. A informação foi divulgada pelo Ministério Público do Trabalho (MTB-BA), no dia 29, data em que as demissões iriam ser realizadas. A decisão também afetava as empresas que forneciam insumos para a montadora e estão instaladas no complexo industrial no município baiano. Economia A cidade que abriga o maior Polo Industrial da Bahia, Camaçari pode ter perda de 10% na arrecadação de receitas após o encerramento das atividades da fábrica Ford no Brasil. O Polo Industrial de Camaçari completa neste mês de junho, 43 anos de operação. Um dos maiores complexos industriais integrados do Hemisfério Sul, desempenha papel importante no setor produtivo do estado. Em entrevista ao G1 em janeiro deste ano, o prefeito de Camaçari, Elinaldo Araújo, contou que a cidade, que tem arrecadação anual de cerca de R$ 1,3 bilhão em impostos, perdeu R$ 30 milhões do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) e mais R$ 100 milhões do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da receita líquida com o fechamento da montadora de veículos. Na ocasião, o prefeito Elinaldo informou que estava em busca de levar outra empresa do ramo automobilístico para a cidade. O governador da Bahia, Rui Costa, também afirmou procura pela Embaixada da China para sondar investidores para assumir negócio no estado. No entanto, ainda não nenhuma confirmação ou algo definido sobre o assunto. Além da perda de receita, o município vai registrar mais de 12 mil demissões. O gestor municipal também lembrou das pessoas que não trabalham em empresas relacionadas com a Ford, mas prestam serviços para os funcionários, como escolas, restaurantes e lojas do comércio local. Diante do fechamento da fábrica da Ford em Camaçari, na Bahia, a produção industrial baiana registrou em abril o maior recuo do país em relação ao mesmo mês de 2020, conforme dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Polo Industrial Polo Industrial de Camaçari, na região metropolitana de Salvador Egi Santana/G1 BA O maior Polo Industrial da Bahia foi instalado em Camaçari há 42 anos e aposta em tecnologia de ponta para se destacar no mercado. Segundo o Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (Cofic), o faturamento era de mais de R$ 60 bilhões e gera 45 mil empregos diretos e indiretos. Os números colocavam Camaçari como o 15° maior Produto Interno Bruto (PIB) industrial do país. O Cofic afirma que trabalha para atualizar os dados após o anúncio do fechamento da montadora de veículos. Antes da saída da Ford, o polo tinha um faturamento anual de aproximadamente US$ 15 bilhões e as vendas para o mercado externo correspondiam a 30% do total das exportações baianas. O Complexo Industrial respondia ainda por mais de 90% da arrecadação tributária dos municípios de Camaçari e Dias D´Ávila e por cerca de 22% do PIB da Indústria de Transformação do Estado da Bahia, de acordo com dados do Cofic. As principais linhas de aplicação dos produtos petroquímicos e químicos são os plásticos, fibras sintéticas, borrachas sintéticas, resinas e pigmentos. Após transformados, os produtos químicos e petroquímicos resultam em embalagens, utilidades domésticas, mobiliário, materiais de construção, vestuário, calçados, componentes industriais (indústria eletrônica, de informática, automobilística e aeronáutica), tintas, produtos de limpeza (detergentes), corantes, medicamentos, fraldas, absorventes higiênicos, defensivos agrícolas e fertilizantes. O Polo Industrial de Camaçari fabrica também automóveis, pneus, celulose solúvel, cobre eltrolítico, produtos têxteis (poliéster), fertilizantes, equipamentos para geração de energia eólica, bebidas, dentre outros, oferecendo ainda ampla gama de serviços especializados às empresas instaladas em sua área de influência. Veja mais notícias do estado no G1 Bahia. Assista aos vídeos do G1 e TV Bahia 💻 Ouça o podcast 'Eu te explico' 🎙
Veja Mais

18/06 - Confira todos os 'jabutis' incluídos pelo Congresso na MP da Eletrobras
'Jabuti' é como são designados trechos incluídos em uma medida provisória que extrapolam o assunto original da proposta. Parte dos 'jabutis' da MP da Eletrobras pode elevar a conta de luz. A medida provisória que viabiliza a privatização da Eletrobras foi aprovada pelo Senado na última quinta-feira (18) com uma série de "jabutis". No jargão do Congresso, "jabuti" é um trecho sem relação com o objetivo original da proposta. Parte desses "jabutis" pode aumentar conta de luz dos consumidores. A União pela Energia, que reúne associações do setor elétrico, calcula que o impacto será de R$ 84 bilhões, valor a ser repassado para as tarifas. Senado aprova MP da Eletrobras com mudanças que podem aumentar conta de luz Já o governo afirmou que o projeto tem potencial de reduzir a conta de luz em até 7,36% para os consumidores residenciais. A estimativa foi divulgada após a aprovação do texto pelos deputados. Uma atualização dos dados ainda não foi feita após as mudanças feitas pelos senadores. Outros "jabutis" inseridos no texto não têm impacto direto na conta de luz, mas mexem com regras do setor elétrico, do mercado de ações e do serviço público. Por isso, também receberam críticas, já que não têm relação com o conteúdo original da MP. Como os senadores alteraram parte da versão aprovada pela Câmara, o projeto precisa ser novamente analisado pelos deputados, que têm a palavra final. A votação está prevista para a próxima segunda (21), um dia antes de a MP perder a validade. O que é ‘jabuti’ na política? Octavio Guedes explica Confira, abaixo, um resumo de todos os jabutis inseridos na MP da Eletrobras. Termelétricas O texto exige a contratação de usinas termelétricas movidas a gás natural para fornecimento de 8 megawatts (MW) de energia por 15 anos. Os parlamentares também determinaram que as usinas estejam instaladas nas regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste, principalmente em localidades que não possuem infraestrutura de transporte de gás natural. Essa infraestrutura terá de ser construída, o que elevará os custos para os consumidores de energia. Além disso, a energia produzida pelas usinas termelétricas é mais cara e poluente se comparada às usinas hidrelétricas, eólicas e solares. Pequenas Centrais Hidrelétricas Os próximos leilões de energia nova terão uma reserva de mercado para contratação de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), se a MP da Eletrobras for aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente. A regra vale para os leilões feitos até 2026. Especialistas dizem que a medida pode encarecer a conta porque a reserva de mercado contraria o princípio da livre concorrência nos leilões. Proinfa Os parlamentares incluíram na MP da privatização da Eletrobras a prorrogação, por mais 20 anos, dos contratos das usinas construídas através do Programa de Incentivos às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa). O programa foi criado em 2002, numa época em que, praticamente, só havia usinas hidrelétricas no país. Quase 20 anos depois, especialistas afirmam que não faz mais sentido os consumidores subsidiarem esses projetos. VÍDEO: Economista comenta aprovação de MP que viabiliza privatização da Eletrobras Indenização ao Piauí Os congressistas incluíram na MP da Eletrobras indenização ao estado do Piauí por conta da privatização da Cepisa, a distribuidora local de energia, que até 2018 era controlada pela Eletrobras. O valor da indenização é estimado em R$ 260 milhões. Linhão do Tucuruí Pelo texto aprovado pelo Senado, o governo poderá autorizar a construção do Linhão do Tucuruí – sistema de transmissão de energia que vai ligar Roraima ao sistema elétrico nacional – sem necessidade de licenças ambientais do Ibama e da Funai. O linhão está para ser construído desde 2011, porém nunca saiu do papel, porque torres de transmissão de energia precisam ser construídas na terra indígena Waimiri Atroari. Empregados Os empregados da Eletrobras que forem demitidos após a privatização poderão usar o valor da rescisão para comprar ações da empresa pelo valor cotado cinco dias antes da edição da medida provisória pelo governo, em fevereiro de 2021. Os demitidos até um ano após a privatização poderão, ainda, ser realocados em outras estatais. ONS Pelo texto aprovado no Senado, os nomes para a diretoria do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) terão de ser aprovados pelo Senado. O ONS é responsável por garantir o funcionamento do sistema elétrico nacional. Revitalização das bacias hidrográficas Os senadores aprovaram uma emenda que obriga o governo a criar em até um ano um plano de recuperação dos reservatórios das usinas hidrelétricas. O governo tem priorizado a água para geração de energia elétrica neste ano em detrimento de outras atividades econômicas que também precisam da água, o gerou críticas de vários senadores. Mercado livre O texto aprovado pelo Senado prevê que, até 1º de julho de 2026, todos os consumidores poderão comprar energia de qualquer distribuidor. Atualmente, somente grandes consumidores de energia têm esse benefício. Realocação de pessoas Os senadores obrigaram a Eletrobras custear a realocação da população que esteja morando abaixo de linhas de transmissão de grande capacidade (230 quilovolts). Hidrovia Tietê-Paraná Se convertida em lei, a MP obrigará o governo a melhorar a navegabilidade da hidrovia Tietê-Paraná, uma das mais importantes para escoamento de carga agrícola. Rios Madeira e Tocantins Obrigação para a Eletrobras reduzir estruturalmente os custos de geração de energia na Amazônia Legal, além de melhorar as condições para navegabilidade do Rio Madeira e do Rio Tocantins. Vedações Após a privatização, segundo o texto da MP, a Eletrobras não pode extinguir, fundir ou mudar de sede as seguintes subsidiárias: Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf); Furnas; Eletronorte; e Eletrosul. A regra vale por dez anos. VÍDEOS: notícias de economia
Veja Mais

18/06 - Órgão que criou criptografia usada na segurança de redes 2G confirma fragilidade intencional que facilitava espionagem
Criada em 1998, tecnologia foi constrangida por regras que limitavam a exportação de softwares para comunicação segura. Rede celular protege comunicações com criptografia, mas gerações antigas tinham segurança frágil. Tomasz Piskorski/Freeimages.com Um estudo de pesquisadores europeus trouxe a público a primeira análise aprofundada do GEA-1, um algoritmo de segurança criado para proteger as comunicações GPRS, mais conhecidas como redes de celular 2G. Além de detalhar as propriedades matemáticas do algoritmo, o estudo se atentou para o contexto político em que ele foi criado. A partir desses fatores, chegou-se à possibilidade de uma tentativa deliberada de enfraquecer a segurança. A hipótese dos pesquisadores foi confirmada pelo ETSI (Instituto Europeu de Normas de Telecomunicação, na sigla em inglês), o órgão responsável pela criação da tecnologia. LEIA MAIS: Qual o melhor ajuste de segurança para o Wi-Fi e por que a segurança WPA2 pode ser 'fraca'? Wi-Fi ou 4G da rede celular: existe diferença na segurança das redes sem fio? Em 1998, quando o GEA-1 foi criado, muitos países constrangiam a exportação de softwares capazes de embaralhar ou cifrar comunicações. O entendimento, à época, era de que a exportação de criptografia forte poderia favorecer criminosos ou forças militares inimigas, e que não havia benefício significativo em permitir a proliferação desse tipo de segurança. Em um comunicado enviado ao site de tecnologia "Motherboard", o ETSI confirmou que a força do GEA-1 foi constrangida pelas regras de exportação da época. Essas restrições vêm sendo derrubadas pela necessidade de proteger usuários de ataques mais sofisticados, realizados por espiões que têm acesso a computadores poderosos para quebrar as criptografias mais simples. Ataque em 25 minutos No papel, o GEA-1 é uma criptografia com chave de 64 bits – o número de bits indica quantas possibilidades existem para a chave, dificultando a tarefa de adivinhá-la. O que os especialistas descobriram é que as propriedades matemáticas do GEA-1 o deixam com apenas 40 bits na prática, reduzindo bastante o trabalho necessário para adivinhar a chave e decifrar os dados da comunicação. Na pesquisa, foram utilizados quatro processadores AMD EPYC 7742 para realizar os cálculos de quebra da chave. Esse é um modelo de custo relativamente alto, mas disponível no varejo, ou seja, é muito longe de um supercomputador criado sob encomenda. Excluindo o tempo necessário para alguns preparativos, o ataque levou 25 minutos. Em comparação, o GEA-2, um algoritmo sucessor desenvolvido apenas um ano depois, levaria cerca de quatro meses para ser quebrado, segundo os pesquisadores. O GEA-2 também não é considerado robusto, mas a diferença de resistência entre os dois algoritmos demonstra o nível de fragilidade projetado no GEA-1. Paralelamente a esta comparação com o GEA-2, os pesquisadores também fizeram um levantamento demonstrando que as propriedades que enfraquecem o GEA-1 não teriam sido geradas por acidente – levando à conclusão de um projeto intencional. Smartphones não seguem norma O ETSI considera o GEA-1 obsoleto. Segundo a norma, a tecnologia não deve mais ser usada em nenhuma comunicação desde 2013. Mas os especialistas descobriram que smartphones modernos como o iPhone XR e o Samsung Galaxy S9 ainda aceitam conexões iniciadas com essa segurança. Segundo eles, o fabricante do componente de banda base dos aparelhos (Intel, Qualcomm, Samsung, HiSilicon e MediaTek) deveria ter ajustado a conectividade para não aceitar essas conexões. Em um cenário normal, a operadora de telefonia também não deve utilizar o GEA-1. De acordo com pesquisas já realizadas e citadas pelos especialistas, o GEA-1 não é mais utilizado pela maioria das operadoras de telefonia móvel. A descoberta foi repassada aos fabricantes para que a obsolescência do GEA-1 seja respeitada. Contudo, a adesão dos fabricantes a esta norma, por si só, provavelmente não terá qualquer impacto na segurança dos usuários na prática. Wi-Fi ou 4G da rede celular: existe diferença na segurança das redes sem fio? Sem novos riscos Embora as descobertas dos pesquisadores ajudem a elucidar a história da segurança das comunicações por rede celular, ela tem pouco impacto na segurança dos usuários de hoje. As redes 3G e 4G funcionam com tecnologias diferentes. A segurança também é nova. Outro ponto é que os aplicativos, inclusive os redes sociais e comunicadores, como o WhatsApp, utilizam uma criptografia própria. Isso impediria um espião de analisar os dados enviados e recebidos mesmo após quebrar a segurança da rede. Também não há novidade para o tráfego em redes 2G, que é considerada inseguro há mais de 10 anos. As fragilidades dessas redes podem ser atacadas pelo método que pode ser entendido como "retrocesso forçado" (em inglês, "downgrade attack"). Em termos simples, o espião cria uma rede falsa que obriga o aparelho celular da vítima a utilizar uma conexão 2G insegura, mesmo que redes 3G e 4G estejam disponíveis. Essas estações de rádio piratas podem ser montadas com peças disponíveis no varejo, mas ainda exigem que o atacante esteja relativamente próximo à vítima. Em outras palavras, é um ataque difícil de ser realizado em grande escala. Autoridades policiais também utilizam equipamentos com capacidades semelhantes. Eles muitas vezes são chamados de "StingRay", em alusão a um produto da Harris Corporation que ficou famoso por ter esse tipo de função. Como as normas de comunicação ainda preveem a possibilidade de conexões pouco seguras ou até sem criptografia, esse uso forçado de tecnologias muito antigas é um risco muito maior do que as particularidades de um único algoritmo de criptografia. É por isso que aplicativos sempre devem utilizar uma criptografia própria. Para questões específicas da rede, como chamadas e SMS, a solução seria abandonar as redes 2G. No entanto, como elas ainda são necessárias para a cobertura de telefonia móvel em determinadas regiões, esta nem sempre é uma escolha viável. Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Golpes no Whatsapp: saiba como se proteger Veja dicas para se manter seguro on-line a
Veja Mais

18/06 - Ministério da Economia vai anunciar nova revisão de normas de saúde e segurança no trabalho, diz secretário
Secretário especial de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia, Bruno Bianco, participou de uma videoconferência nesta sexta (18). O secretário especial de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia, Bruno Bianco, disse nesta sexta-feira (18) que o governo anunciará nos próximos dias uma nova revisão dos atos normativos que tratam das regras de proteção da saúde e da segurança de trabalhadores. Segundo ele, cerca de 2 mil atos normativos se "transformarão" em 15. Em julho de 2019, o governo revisou 36 normas que tratavam das regras de proteção da saúde e da segurança de trabalhadores. As chamadas normas regulamentadoras (NRs) são disposições complementares da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que consistem em obrigações, direitos e deveres a serem cumpridos por empregadores e trabalhadores com o objetivo de garantir trabalho seguro e sadio, prevenindo a ocorrência de doenças e acidentes de trabalho. "Nos próximos dias, anunciaremos uma revisão de dois mil atos normativos, que se transformarão em 15. E não é só uma compilação, é uma 'lipoaspiração', entre aspas, uma modernização, uma desburocratização. Nosso programa permanente de simplificação trabalhista e, assim, vamos mudando o ambiente de trabalho", declarou Bianco, em videoconferência realizada nesta sexta-feira (18). A elaboração e a revisão das normas regulamentadoras são realizadas, atualmente, pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho. O sistema adotado é o chamado tripartite paritário, preconizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), por meio de grupos e comissões compostas por representantes do governo, de empregadores e de trabalhadores. Segundo Bruno Bianco, a revisão feita em 2019 nas normas regulamentadoras injetou R$ 200 bilhões na economia, por conta da redução de custos das empresas. O secretário avaliou que há três problemas graves no mercado de trabalho brasileiro, a burocracia, o custo de contratação e a insegurança jurídica. "Sem redução de custo, esse cara não acessa o mundo formal. Sem segurança jurídica, empregador não contrata. E com burocracia, o custo também se eleva. Um cipoal de regras que gera dor de cabeça. O Brasil perde muito com isso", acrescentou. Políticas para mulheres e jovens Bianco também informou nesta sexta-feira (18) que o governo estuda políticas que estimulem a contratação de mulheres. "Mas não punindo quem não contrata, criando cotas, e sim estimulando quem contrata. As mulheres são absolutamente competentes, muitas das vezes mais do que os homens", afirmou. O secretário lembrou que a área econômica também está finalizando o Bônus de Inclusão Produtiva (BIP) e o Bônus de Incentivo à Qualificação (BIQ) para qualificar a mão de obra dos trabalhadores informais e dos jovens. A ideia é que o governo pague R$ 300 de um lado, e as empresas R$ 300 de outro, para qualificar os profissionais, dentro de um contrato com custos trabalhistas menores. "Estamos pensando em políticas ativas para o jovem que não tem estudo ou trabalho. Com o BIP e com BIQ, vamos fazer com que os jovens possam se qualificar na empresa para que a teoria seja exatamente aliado a pratica. E não um curso que não tem nada a ver com o que ele está fazendo dentro da empresa", declarou. Com esses programas, Bianco disse que o governo vai combater o efeito "tostines", no qual o trabalhador não tem emprego porque não tem oportunidade, ou que não tem oportunidade porque nunca teve emprego. E, assim, proporcionar uma "subida de escada" do mercado informal para o formal. Novas formas de contratação O secretário de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia também defendeu a criação de novas formas de contratação. "Para muitas formas de trabalho no Brasil, o trabalho formal não mais de adequa. Precisamos criar novas formas de formalização, que não seja só a CLT [Consolidação das Leis do Trabalho]. E não deixar que o informal fique eternamente no mundo informal. Nesse meio do caminho, temos novas formas e precisamos criar novos mecanismos jurídicos legais para incluir essas pessoas", declarou. No início deste ano, Bianco informou que o governo federal avaliava propor flexibilizações na legislação trabalhista, para aumentar a formalização de trabalhadores. Na ocasião, ele foi questionado sobre a possibilidade de o governo retomar a carteira de trabalho verde amarela (medida provisória 905), um um incentivo à contratação formal de jovens de 18 a 29 anos, menos tributos e encargos trabalhistas, que estava em vigor em 2020, mas perdeu a validade. VÍDEOS: notícias sobre economia
Veja Mais

18/06 - Lira cobra projeto do governo que altera Imposto de Renda para destravar reforma tributária
Presidente da Câmara diz que esperava receber projeto ainda nesta semana; governo não chegou a acordo sobre redação final. Expectativa é de envio até a próxima quarta. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), cobrou nesta sexta-feira (18) que o governo envie o projeto de reforma do Imposto de Renda (IR) de pessoas físicas e empresas para dar início à tramitação da reforma tributária. Lira diz que o governo atrasou a entrega do texto, prevista inicialmente para esta semana. A nova previsão é que o projeto seja encaminhado na próxima quarta-feira (23). “Eu esperava para esta semana, mas isso foi postergado para a próxima quarta. É um projeto que vai tratar do Imposto de Renda para pessoa física, jurídica e dividendos”, afirmou o presidente da Câmara durante evento virtual promovido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Dividendos são uma parcela do lucro das empresas distribuída aos acionistas – atualmente, esse pagamento é isento de impostos. Para compensar as mudanças no IR, o governo propõe taxar os repasses. “Se o governo nos mandar até quarta-feira [23] o projeto de lei do Imposto de Renda de pessoas físicas e jurídicas e dividendos, rapidamente eu farei a nomeação dos dois relatores, da CBS e do PL do Imposto [de Renda] para que a gente possa 'startar' o processo [da reforma tributária]”, completou. Sardenberg analisa a reforma tributária e a alta nas vendas do varejo Vários projetos A CBS citada por Lira é a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), novo imposto que unificaria a cobrança do PIS e da Cofins – ambos, tributos federais. O projeto chegou à Câmara em 2020 como a primeira etapa da reforma tributária do governo Bolsonaro, mas ainda não tramitou. A alíquota proposta é de 12% para todos os setores, mas já há pressão da indústria e do setor de serviços para mudanças. A mudança do Imposto de Renda, pelo cronograma do governo, só entraria em cena na "terceira etapa" da reforma. O presidente da Câmara, no entanto, cobrou a antecipação desse texto para que o tema tramite em paralelo à CBS. Entenda, no vídeo abaixo, as "etapas" sugeridas pelo governo para a reforma tributária: Juliana Rosa explica projeto de fatiamento da reforma tributária da Câmara Divergências O governo Jair Bolsonaro, no entanto, ainda não chegou a um acordo sobre a redação final do projeto que altera o Imposto de Renda. Entre os pontos em aberto, está a nova faixa de isenção para pessoas físicas – hoje, em R$ 1,9 mil mensais. O Ministério da Economia defende isenção para quem ganha até R$ 2,4 mil por mês. O Palácio do Planalto quer uma elevação ainda maior, para a casa dos R$ 3 mil. A atualização da tabela do IR de pessoas físicas foi uma promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro. Na época, ele defendeu isentar do imposto quem ganhava até R$ 5 mil, e o então Ministério da Fazenda apontou que a medida implicaria perda de R$ 60 bilhões anuais em arrecadação pública. Veja, abaixo, declaração de Bolsonaro em 2019 sobre a intenção de elevar a faixa de isenção do Imposto de Renda de pessoas físicas: Bolsonaro diz que pretende elevar faixa de isenção do IR para R$2 mil Para compensar a perda de arrecadação com o aumento da faixa de isenção do IR de pessoas físicas, o Ministério da Economia quer taxar dividendos e outros produtos financeiros que hoje são isentos de impostos, como letras de crédito Imobiliária (LCI) e do Agronegócio (LCA). O Planalto tem mostrado resistência à taxação das letras de crédito, além de ter solicitado uma faixa de isenção para que pequenos acionistas continuem isentos de pagar imposto sobre os dividendos. “Precisamos de ajuste entre Casa Civil, Ministério da Economia e Presidente da República para que esse projeto tenha enquadramento. Essa conta tem que zerar, para que não tenha que distorcer a arrecadação nem aumentar impostos”, disse Lira.
Veja Mais

18/06 - 'Congelados no tempo': usuários compartilham fotos de amigos e parentes mortos 'descobertas' no Google Street View
Usuários de redes sociais estão compartilhando imagens antigas com parentes e amigos que posteriormente faleceram. Usuários compartilham fotos de amigos e parentes mortos 'descobertas' no Google Street View Google Usuários das redes sociais estão compartilhando imagens do Google Street View que mostram amigos e parentes que já morreram. O movimento ganhou força depois de uma postagem da conta Fesshole, no Twitter, que pediu aos seguidores que procurassem por imagens na plataforma de mapas tiradas antes da morte de parentes. Lançado nos Estados Unidos em 2007, o Google Street View já foi implementado em todo o mundo. Golpes no WhatsApp: saiba como se proteger Celular roubado ou perdido? Saiba o que fazer Neil Henderson, funcionário da BBC, compartilhou uma imagem de seu falecido pai na porta de casa. "Tenho literalmente centenas de fotos do meu pai, mas o Google Street View é bastante comovente, como se ele ainda estivesse por aí", escreveu ele. Outro usuário mostrou a imagem de um casal de mãos dadas na rua - seus pais, disse ele, que morreram há vários anos. Initial plugin text Já o usuário Bernard Baker capturou uma senhora do lado de fora de sua porta. "Minha mãe saindo para fumar um cigarro", escreveu. Initial plugin text Initial plugin text Outros disseram que ver as imagens, tiradas quando seus entes queridos ainda estavam vivos, criou um sentimento de conexão com eles. Há uma maneira de olhar para as imagens antigas na plataforma - basta clicar no ícone do relógio no lado superior esquerdo do Google Maps (o recurso não aparece no Google Earth). O francês Karim Palant usou essa ferramenta para encontrar uma imagem anterior de seu falecido avô, Charles Palant, tirada da rua em 2015. Ela mostra o homem debruçado na janela de seu apartamento em Paris para falar com seu cuidador, embaixo. Charles Palant morreu alguns meses depois. "Ele viveu naquele apartamento por cerca de 70 anos, e eu passei muitos momentos felizes lá", disse Karim. Karim acrescentou que seu avô estava fazendo aulas de informática quando tinha 90 anos, mas não acredita que ele tenha visto o Google Street View, e a família só ficou sabendo da fotografia depois de sua morte. "É um dia tão ensolarado na foto e ele parece tão relaxado que me lembra de uma época e um lugar felizes", disse ele. O falecido pai de Neil Henderson, fotografado em sua porta Google Pesquisar objetos estranhos ou momentos bizarros capturados pelo Google Street View se tornou uma espécie de passatempo na internet. Somente no TikTok, existem mais de 660 milhões de vídeos marcados com o site. Muitas contas populares mostram vídeos de coisas estranhas encontradas na plataforma. Entenda processo contra o Google nos EUA Veja 5 pontos sobre do processo contra o Google nos EUA Fique atento contra golpes no WhatsApp Golpes no Whatsapp: saiba como se proteger
Veja Mais

18/06 - Turismo doméstico, uma tendência mundial em 2021
Tendência pode moldar o futuro das viagens internacionais, que levarão mais tempo do que o esperado para se recuperar. O turismo doméstico se desenvolveu tanto na China quanto nos Estados Unidos e na Europa, devido ao fechamento das fronteiras durante a pandemia da covid-19. Essa tendência pode moldar o futuro das viagens internacionais, que levarão mais tempo do que o esperado para se recuperar. As chegadas de turistas internacionais despencaram 83% no primeiro trimestre de 2021, devido à manutenção das restrições generalizadas às viagens, de acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT). Com queda de 73% nas chegadas, 2020 foi considerado "o pior ano da história do setor", segundo a entidade. Impossibilitados de viajar para o exterior, os turistas permaneceram em seus países, muitas vezes incentivados pelos governos, que buscam apoiar a recuperação das economias locais. Turistas voltam a Disney de Paris depois de 8 meses fechada pela pandemia, foto de 17 de junho de 2021 Gonzalo Fuentes/Reuters Na China, "as gerações jovens há muito se reapropriaram da cultura chinesa, e há uma disposição do governo em repatriar dinheiro" do turismo, de acordo com a especialista em tendências socioculturais Cécile Poignant. Com a pandemia, os chineses percorreram seu "extenso território", "entre Tibete, Hainan, Sishuan, há muitos lugares interessantes para visitar", e "as agências de viagens estão se desenvolvendo nesse sentido", segundo ela. Para impulsionar o turismo interno, o governo chinês autorizou, por exemplo, o "duty-free" em sua província insular de Hainan, uma iniciativa que faz sucesso entre os jovens com mais recursos. Em um estudo no início do ano, que apontava que o mercado interno seria o motor da recuperação, a consultoria McKinsey destacou o "aumento da China", que já recuperou "80% de sua atividade turística", ressaltando uma "busca de destinos na natureza" entre os jovens clientes mais ricos. "Fenômeno duradouro" Nos Estados Unidos, os turistas locais representaram 95% da receita do turismo em 2020, 10 pontos a mais do que em 2019, de acordo com o World Trade and Tourism Council (WTTC), que reúne as principais operadoras de turismo. Na Europa, as autoridades também incentivam as viagens locais, como na França, onde o governo fala em "verão azul, branco e vermelho", ou em Luxemburgo, onde são distribuídos vales de compras. As viagens também serão intraeuropeias. "O movimento real que observamos e que ainda vamos observar neste verão é a soma dos turismos domésticos. É um fenômeno duradouro", afirma Sébastien Manceau, especialista em turismo da consultoria Roland Berger, entrevistado pela AFP. Em geral, 60% dos especialistas esperam um aumento do turismo internacional em 2022, de acordo com a OMT. Metade deles estima que não retornará aos níveis de 2019 antes de 2024. "Esta crise favoreceu muito o turismo doméstico", confirma Didier Arino, chefe da consultoria Protourisme, à AFP. Segundo ele, é algo "muito bom". " Não se pode querer reduzir o impacto do turismo no meio ambiente e não se alegrar com o desenvolvimento do turismo local, ou doméstico. A chegada de clientes estrangeiros é responsável por 70% das emissões de CO2 do turismo", acrescenta. "Fazer mercados domésticos durante dois verões deixa rastros, mas rastros positivos", insiste Sébastien Manceau, para quem "a consideração com o meio ambiente é cada vez mais importante". De acordo com um estudo realizado por sua consultoria, 58% dos europeus levam critérios ecológicos em consideração na hora de organizar sua estada. "A crise da covid-19 acelerou as transformações que estavam ocorrendo no setor de turismo: o que levaria cinco anos, ou mais, demorou apenas alguns meses", completou Manceau.
Veja Mais

18/06 - Maior Boeing 737 MAX se prepara para voo inaugural
Primeiro voo do 737 MAX 10 está programado para ocorrer às 14h (horário de Brasília) na região de Seattle. A Boeing se prepara para fazer nesta sexta-feira (18) o voo inaugural do maior integrante da família de aviões 737 MAX, em um passo para se recuperar dos meses de paralisação da frota de um modelo menor da aeronave. O primeiro voo do 737 MAX 10 está programado para ocorrer às 14h (horário de Brasília) na região de Seattle. A aeronave ainda vai passar por meses de testes e certificação antes de entrar em serviço em 2023. Boeing 737 MAX 10 Boeing/Divulgação Diferente da habitual festa que marca primeiros voos de aeronaves, o evento do 737 MAX foi deliberadamente mantido discreto, uma vez que a Boeing tenta superar crises seguidas causadas pela paralisação de 20 meses da frota menor da família após duas quedas que mataram centenas de pessoas. O avião de 230 lugares é projetado para reduzir o espaço entre o 737-9, capaz de levar entre 178 e 220 passageiros, e o A321neo, da Airbus, que domina o mercado de aviões de corredor único e tem capacidade para 185 a 240 assentos. Porém, a oportunidade de mercado para o 737 MAX 10 é restringida pelo alcance da aeronave de 3.300 milhas náuticas (6.100 quilômetros), menor que as 4 mil milhas do A321neo. O voo desta sexta-feira também vai mostrar uma versão modernizada do sistema de pouso, em meio à batalha da indústria para conseguir o máximo de alcance possível da atual geração de jatos de corredor único. A aeronave eleva a altura do trem de pouso durante decolagens e pousos, um design necessário para compensar o comprimento adicional do MAX 10 e evitar que o avião raspe a cauda na pista durante a decolagem.
Veja Mais

18/06 - Pornhub é processado nos EUA por supostamente lucrar com vídeos de agressão sexual
Advogados acusam a empresa on-line de criar um mercado para a pornografia infantil e 'qualquer outra forma' de conteúdo sexual não consentido. Trinta e quatro mulheres apresentaram uma ação na Califórnia contra o site de vídeos para adultos Pornhub, acusando também a empresa matriz MindGeek de lucrar, de maneira consciente, com imagens que mostram estupros e exploração sexual, inclusive de menores de idade. Os advogados que representam as 34 demandantes acusam a empresa on-line – um dos maiores sites de vídeos para adultos do mundo – de criar um mercado para a pornografia infantil e "qualquer outra forma" de conteúdo sexual não consentido. Eles querem que o grupo pague por danos e prejuízos. A MindGeek, o controverso império de entretenimento para adultos, é acusada de ser uma "empresa criminosa clássica", com um modelo de negócio baseado na exploração de conteúdos sexuais não consentidos. "Este é um caso de estupro, não de pornografia", afirma a ação, que descreve o site como "provavelmente o maior depósito de pornografia infantil sem regulamentação na América do Norte e além". Todas as demandantes, com exceção de uma, desejam permanecer anônimas. Elas moram nos Estados Unidos e no exterior, e 14 delas afirmaram que eram menores de idade quando foram filmadas e que devem ser consideradas "vítimas do tráfico sexual de crianças". Michael Bowe, um dos advogados que representa as mulheres, declarou ao canal CBS News que o tribunal poderia condenar a MindGeek a pagar centenas de milhões de dólares a suas clientes. Serena Fleites, a única demandante que teve o nome revelado, afirmou que em 2014 tomou conhecimento de que "um vídeo de nudez e sexualmente explícito" que seu namorado a obrigou a fazer quando ela tinha apenas 13 anos foi publicado no Pornhub sem o seu consentimento. O vídeo permaneceu on-line até que a adolescente, que se fez passar por sua mãe, solicitou a retirada ao Pornhub. Mesmo assim, o vídeo não foi removido por várias semanas, de acordo com a ação, e durante este período foi baixado e disponibilizado por vários usuários, e cada download do vídeo exigiu um novo pedido para remoção. Os advogados das demandantes acusam a MindGeek de fazer uma "campanha" de manipulação on-line, em uma tentativa de desacreditar as vítimas, assim como de "ameaças de violência física e de morte" contra elas. A ação afirma que a MindGeek é proprietária de mais de 100 sites pornográficos, incluindo Pornhub, RedTube, Tube8 e YouPorn, e recebe quase 3,5 bilhões de visitas por mês. A MindGeek, com sede em Montreal, descreveu o processo em que é classificada como uma "empresa criminosa" de "totalmente absurdo, completamente imprudente e categoricamente falso", segundo a imprensa americana. O Pornhub, que tem 130 milhões de visitantes por dia, nega as acusações de tráfico e anunciou uma série de medidas para combater os conteúdos ilegais.
Veja Mais

18/06 - Presidente do México prevê PIB pré-pandemia no 3º trimestre
Economia do México cresceu 24,8% em maio em comparação com o mesmo mês no ano passado. O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse nesta sexta-feira (18) que espera que a economia mexicana atinja níveis pré-pandemia no terceiro trimestre, após o Produto Interno Bruto (PIB) cair cerca de 8,5% no ano passado devido aos impactos da pandemia. Economia do México cresce 0,8% no 1º trimestre A economia do México cresceu 24,8% em maio em comparação com o mesmo mês no ano passado, à medida que se recupera da queda induzida pela pandemia de coronavírus, mostrou uma estimativa preliminar publicada pela agência nacional de estatísticas Inegi na quinta-feira.
Veja Mais

18/06 - Bovespa fecha em alta com Eletrobras, mas tem semana negativa
Nesta sexta-feira, o principal índice da bolsa subiu 0,27%, a 128.405 pontos. A semana teve queda de 0,84%. A bolsa de valores brasileira, a B3, fechou em alta na tarde desta sexta-feira (18), em meio à expectativa de juros mais altos no Brasil. O Ibovespa subiu 0,27%, a 128.405 pontos. A semana teve queda de 0,84%. Veja mais cotações. As ações da Eletrobras tiveram alta de quase 6%, influenciadas pela aprovação pelo Senado, na véspera, da MP que permite a privatização da estatal. Confira todos os 'jabutis' incluídos pelo Congresso na MP da Eletrobras Na quinta-feira, a bolsa fechou em queda de 0,93%, a 128.057 pontos. Com o resultado de hoje, a bolsa passou a acumular avanço de 1,69% no mês. No ano, a valorização é de 7,84%. VÍDEO: Economista comenta aprovação de MP que viabiliza privatização da Eletrobras Cenário Em Brasília, o Senado aprovou na véspera o texto-base da medida provisória (MP) de privatização da Eletrobras por 42 votos, um a mais que o mínimo necessário, ante 37 contrários. A matéria agora volta à Câmara dos Deputados. Entidades criticam, porém, a inclusão de 'jabutis'. No jargão do Congresso, "jabuti" é um trecho sem relação com o objetivo original da proposta. Parte desses "jabutis" pode aumentar conta de luz dos consumidores. A União pela Energia, que reúne associações do setor elétrico, calcula que o impacto será de R$ 84 bilhões, valor a ser repassado para as tarifas. Ainda por aqui, a Petrobras informou que protocolou na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o pedido de registro de oferta pública de distribuição secundária de ações da BR Distribuidora visando a venda de sua participação restante na companhia, de 37,50%. "O pedido de registro da oferta encontra-se atualmente sob a análise da CVM, estando a oferta sujeita à sua prévia aprovação", afirmou a Petrobras, em comunicado, acrescentando que não será realizado nenhum registro da oferta de qualquer outro país, exceto no Brasil. "O percentual das ações a serem ofertadas pela Petrobras no âmbito da Oferta será de 37,5% do capital social da BR, que corresponde à totalidade da participação atualmente detida pela Petrobras na companhia", acrescentou. A BR, líder na distribuição de combustíveis no Brasil, já havia sido privatizada há quase dois anos, por meio de uma oferta de ação da Petrobras, em operação que levantou R$ 9,6 bilhões. A intenção da Petrobras de sair completamente do capital da BR faz parte da estratégia da empresa para reduzir sua dívida e focar as atividades em exploração e produção de petróleo em águas profundas e ultraprofundas, essencialmente o pré-sal. Variação do Ibovespa em 2021 G1 Economia 1xVelocidade de reprodução0.5xNormal1.2x1.5x2x
Veja Mais

18/06 - Brasil perde oportunidades de se projetar para o mundo, mesmo com potencial enorme, avalia Roberto Teixeira da Costa
Autor do livro 'O Brasil tem medo do mundo? Ou o mundo tem medo do Brasil?' critica tendência de executivos brasileiros em se afastar de outros países, mas vê criatividade e planejamento em longo prazo como possíveis soluções. Roberto Teixeira da Costa, autor de 'O Brasil tem medo do mundo? Ou mundo tem medo do Brasil?' Divulgação Empresas privadas e instituições públicas brasileiras não se dão conta da importância do Brasil e consequentemente perdem oportunidades de melhor projetar o país para o exterior. É essa a avaliação do economista Roberto Teixeira da Costa, conselheiro emérito do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) e autor do livro "O Brasil tem medo do mundo? Ou o mundo tem medo do Brasil?". "O Brasil tem medo do mundo, sim", responde Teixeira à pergunta que ele mesmo se propõe a responder no livro. "O Brasil tem uma postura de se acomodar em sua posição internacional, olhar demais para o mercado interno e com uma visão imediatista", complementa o autor. "Não nos damos conta da nossa relevância para o mundo, nem para o enorme potencial que o Brasil tem em recursos. Esse distanciamento não é compatível com o tamanho do Brasil" — Roberto Teixeira da Costa. Assista abaixo à entrevista de Roberto Teixeira da Costa à GloboNews VÍDEO: 'O Brasil tem medo do mundo'; economista fala dos desafios do país com o exterior Em entrevista ao G1, o economista conta que o livro foi resultado de anos de experiência participando de reuniões no exterior — Teixeira integrou e presidiu a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e ocupou outros cargos em instituições internacionais de economia e relações internacionais. Ele relata que, durante as viagens, percebia um desinteresse dos próprios brasileiros em se internacionalizar. "Eu me sentia muito inferiorizado. Ia de cabeça baixa", conta Teixeira. Em um trecho do livro, o economista menciona inclusive que os representantes de empresas e órgãos do país perdiam oportunidades nos eventos internacionais ao não aproveitar os tempos livres para fazer mais negociações e estabelecer pontes. Líderes do G7 posam para foto oficial durante encontro na Inglaterra Patrick Semansky/Pool/AP Photo Para o economista, essa situação se agravou nos últimos anos, e o Brasil está perdendo espaço para outras lideranças latino-americanas. "O Brasil no passado seria convidado até como ouvinte na reunião do G7. Mas nossa importância na América Latina está diluída. Não se quer mais ouvir o Brasil", comenta. "E esse isolamento não foi construído em Nova York, em Washington. Foi aqui mesmo, dentro do próprio país", acrescenta Teixeira. Como superar esse afastamento? Roberto Teixeira da Costa diz que o Brasil tem condições de se mostrar mais preparado para o mundo e que isso passa pelo reconhecimento de suas próprias características. O autor cita a recente declaração do papa Francisco, que disse, em tom de brincadeira, que o Brasil "não tem salvação". "O Brasil tem salvação, sim. Nós temos que perder o medo, deixar claro o que estamos fazendo e as dificuldades que estamos tendo", diz Teixeira. O autor aponta possíveis saídas para que o Brasil se projete no cenário global, que levarão investidores e governos estrangeiros a retomarem o interesse pelo país. Algumas delas são: reconhecimento da capacidade criativa do Brasil e dos brasileiros maior previsibilidade nas decisões, condição essencial para atrair investimentos planejamento em longo prazo, pensando 20 ou 30 anos à frente formação de políticas das próprias empresas para que elas busquem o exterior "O mundo também tem medo do Brasil: são as queimadas, os problemas de segurança interna, a falta de previsibilidade do país. O estrangeiro quer previsibilidade", comenta Teixeira. Qual o cenário futuro? Parte viral da fábrica de IFA Jornal Hoje Teixeira contou ao G1 que seu livro estava pronto em dezembro de 2019. Aí, no mês seguinte, o novo coronavírus começou a se espalhar pelo mundo até que, em março, virasse pandemia. No começo de 2021, Donald Trump deixou o cargo de presidente dos Estados Unidos e Joe Biden assumiu o posto. O cenário mudou rápido. "Foi a oportunidade para atualizar a pesquisa", relata. Em relação à pandemia, o economista diz no livro que o grande choque será a mudança na noção das cadeias de produção. Segundo ele, vários países perceberam como é danosa a dependência extrema de apenas um país que detém as etapas diversas da fabricação de insumos de combate à Covid-19 — exemplo da China, que fabrica de respiradores a material para as vacinas contra o coronavírus. O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, posam para foto antes da reunião em Villa la Grange, em Genebra, na Suíça, em 16 de junho de 2021 Denis Balibouse/Reuters Além das críticas que opõem Washington e Pequim, a reunião do G7, que intensificou as pressões do Ocidente contra a Rússia, e o encontro entre Biden e Putin, mostram um pouco do tom das relações entre países nos próximos anos. Para Teixeira, não há saída: o Brasil deverá dialogar com todos, independentemente de quem está agora ou estiver no futuro no poder. "Governos são transitórios, mas o Estado é permanente", alerta. Ficha técnica O Brasil tem medo do mundo? Ou o mundo tem medo do Brasil? (Editora Noeses) Autor: Roberto Teixeira da Costa. Prefácio do diplomata Marcos Azambuja 294 páginas Preço de capa: R$ 128
Veja Mais

18/06 - Anúncio de relator sobre investigados faz parte de estratégia para esvaziar sessão pró-cloroquina
A estratégia do comando da CPI da Covid de marcar para a manhã desta sexta-feira (18) uma coletiva de imprensa para que o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), anuncie quem passará a ser investigado, tem por finalidade ofuscar a sessão da própria comissão marcada para começar um pouco antes, no Senado, e que irá ouvir médicos que defendem medicamentos sem eficácia para a covid. O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), avisou os colegas do G7, grupo de senadores que fazem oposição ao governo ou se denominam independentes, que não havia como evitar o convite a dois médicos defensores do que o governo gosta de chamar de “tratamento precoce” (baseado em remédios que já tem comprovação de não serem eficazes para tratar a Covid). A partir daí, o G7 traçou uma estratégia que permitisse esvaziar a sessão. Renan vai incluir Queiroga na lista de investigados pela CPI da Covid Os senadores relataram ao blog que se preocupam com o papel de a comissão de não ser um canal de espalhar desinformação. O que combinaram é que não vai haver perguntas por parte do relator e demais integrantes do G7, ou mesmo senadores que não são da comissão e em geral perguntam. Além disso, marcaram a coletiva de Renan, que terá ao lado o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), com um anúncio que marca a nova fase da investigação na comissão. Aziz irá conduzir a sessão normal, que terá presença dos senadores governistas, mas avisou os colegas que até 13h quer encerrar os trabalhos. VÍDEOS: veja mais notícias sobre a CPI da Covid
Veja Mais

18/06 - Dólar fecha em alta, mas termina semana com queda superior a 1%
Com previsão de alta dos juros no país, moeda norte-americana avançou 0,92%, cotada a R$ 5,0687. Notas de dólar REUTERS/Dado Ruvic O dólar fechou em alta de 0,92%, cotada a R$ 5,0687, nesta sexta-feira (18), em meio à expectativa de juros mais altos no Brasil. No acumulado da semana, no entanto, houve queda de 1,14%. Na mínima do dia, o Ibovespa chegou a R$ 4,9824. Veja mais cotações. Com o resultado, a moeda norte-americana acumula queda de 2,98% no mês e de 2,28% no ano. Cenário Analistas tem destacado que uma taxa de juros mais alta no Brasil tende a valorizar o real frente ao dólar, tendo em vista que favorece uma maior entrada de capital estrangeiro no país. Nesta semana, o Banco Central elevou a Selic de 3,50% para 4,25% ao ano. No exterior, o dólar também apresenta movimento de valorização frente a outras moedas após o Federal Reserve (Fed, banco central americano) antecipar para 2023 a projeção da primeira alta dos juros nos Estados Unidos desde o começo da pandemia da Covid-19. "A sinalização de alta de juros americanos versus aumento de juros pelo Copom exerce forças em direções contrárias no que tange a câmbio, sendo o impacto final de difícil apuração. Os efeitos de curto prazo são bastante voláteis e imprevisíveis, mas há de se atentar a questões estruturais em ambos os países para entender a trajetória do câmbio no longo prazo", afirma Rafael Foscarini, diretor de estratégia da Belo Investment Research. Em Brasília, o Senado aprovou na véspera o texto-base da medida provisória (MP) de privatização da Eletrobras por 42 votos, um a mais que o mínimo necessário, ante 37 contrários. A matéria agora volta à Câmara dos Deputados. Entidades criticam, porém, a inclusão de 'jabutis', trechos sem relação com tema original da MP. Senado aprova MP da Eletrobras com mudanças que podem aumentar conta de luz Variação do dólar em 2021 G1
Veja Mais

18/06 - Ações da China têm 3ª queda semanal por preocupações com valores altos e tensões políticas
Na semana, o CSI300 caiu 2,3% e o SSEC perdeu 1,8%. O mercado acionário da China terminou estável nesta sexta-feira (18), mas registrou a terceira queda semanal seguida devido a preocupações com os altos valores e com as tensões com o Ocidente. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, ganhou 0,01%, enquanto o índice de Xangai teve variação negativa de 0,01%. Na semana, o CSI300 caiu 2,3% e o SSEC perdeu 1,8%, ambos registrando a terceira semana de queda seguida. Analistas e operadores disseram que valores altos de alguns setores, incluindo nova energia, saúde e empresas de consumo, tornaram-se um ponto focal de preocupação para os investidores, dada a falta de ímpeto de alta. Somando-se às pressões na semana estiveram as tensões entre Pequim e o Ocidente. A China classificou na segunda-feira um comunicado conjunto do G7 que criticou Pequim por uma série de questões como interferência em assuntos internos do país. Veja como fecharam as principais bolsas da Ásia: Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,19%, a 28.964 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,85%, a 28.801 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,01%, a 3.525 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,01%, a 5.102 pontos. Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,09%, a 3.267 pontos. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,41%, a 17.318 pontos. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,19%, a 3.144 pontos. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,13%, a 7.368 pontos. Otan coloca China e Rússia como principais ameaças ao mundo democrático
Veja Mais

18/06 - Petrobras pede à CVM registro para oferta de fatia restante na BR Distribuidora
Estatal colocará a venda totalidade da fatia de 37,5% que ainda detém na empresa, que é líder na distribuição de combustíveis. BR Distribuidora Divulgação / Petrobras A Petrobras informou que protocolou na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o pedido de registro de oferta pública de distribuição secundária de ações da BR Distribuidora visando a venda de sua participação restante na companhia, de 37,50%. "O pedido de registro da oferta encontra-se atualmente sob a análise da CVM, estando a oferta sujeita à sua prévia aprovação", afirmou a Petrobras, em comunicado, acrescentando que não será realizado nenhum registro da oferta de qualquer outro país, exceto no Brasil. "O percentual das ações a serem ofertadas pela Petrobras no âmbito da Oferta será de 37,5% do capital social da BR, que corresponde à totalidade da participação atualmente detida pela Petrobras na companhia", acrescentou. A BR, líder na distribuição de combustíveis no Brasil, já havia sido privatizada há quase dois anos, por meio de uma oferta de ação da Petrobras, em operação que levantou R$ 9,6 bilhões. A intenção da Petrobras de sair completamente do capital da BR faz parte da estratégia da empresa para reduzir sua dívida e focar as atividades em exploração e produção de petróleo em águas profundas e ultraprofundas, essencialmente o pré-sal. A Petrobras poderia levantar cerca de R$ 11,5 bilhões com a venda de 436.875.000 ações, com base em preço de fechamento de R$ 26,42 desta quarta-feira (17). O valor, entretanto, é meramente indicativo, destaca a agência Reuters. O preço por ação será fixado após coleta de intenções de investidores institucionais, o que está previsto para 30 de junho. A oferta terá como coordenadores o Morgan Stanley, Bank of America, Citigroup Global Markets, Goldman Sachs, Itaú BBA, JP Morgan e XP Investimentos. Informações adicionais sobre a oferta podem ser obtidas no Prospecto Preliminar disponível em https://www.investidorpetrobras.com.br/pt/acoes-dividendos-e-divida/prospectos.
Veja Mais

18/06 - 25 empresas abrem vagas de emprego e estágio; veja lista
Juntos Somos Mais, InterSystems, AoCubo, Divibank, Suthub, NZN, Lalamove, Matera, The Bridge, SysMap Solutions, Blu, Apto, RankMyAPP, B4A, Bild Desenvolvimento Imobiliário, Vitta Residencial Incorporadora e Construtora, Zettle, Ativy, Mutant, FindUP, InfoJobs, Pipo Saúde, Teladoc, Sinch e Facily são as empresas com seleções abertas. As empresas Juntos Somos Mais, InterSystems, AoCubo, Divibank, Suthub, NZN, Lalamove, Matera, The Bridge, SysMap Solutions, Blu, Apto, RankMyAPP, B4A, Bild Desenvolvimento Imobiliário, Vitta Residencial Incorporadora e Construtora, Zettle, Ativy, Mutant, FindUP, InfoJobs, Pipo Saúde, Teladoc, Sinch e Facily estão com vagas de emprego e estágio abertas. Veja abaixo detalhes dos processos seletivos. Juntos Somos Mais A Juntos Somos Mais, startup que tem como sócias Votorantim Cimentos, Gerdau e Tigre, está recrutando 22 profissionais para atuar na área de Tecnologia da informação e serviços. Dentre as oportunidades, 10 estão disponíveis para analistas (incluindo Q&A Analyst e JR Operation Analyst) e 6 para engenheiros de software (Front-end e também .Net e .NET Core), há uma vaga especificamente para estágio na área de marketplace com duração de, no mínimo um ano e meio, entre outras. Os interessados podem se candidatar pelo link. InterSystems A InterSystems está com vagas abertas para executivo e engenheiro de vendas. Para executivo de vendas, o trabalho é remoto e o mercado-alvo é o Rio de Janeiro. Entre as qualificações exigidas estão experiência de 2 a 5 anos com vendas; conhecimento prático de sistemas de CRM; histórico comprovado de superação de metas; fortes habilidades de comunicação escrita e verbal. Para se candidatar, o profissional deve acessar o link. Para engenheiro de vendas, são duas vagas para atuar remotamente de Brasília em contato com o escritório de São Paulo. Desejável pelo menos sete anos de programação com experiência e prática comprovadas em linguagens orientadas a objetos, como C #, C ++ ou Java / J2ee. Conhecimentos gerais de infraestruturas em nuvem como AWS, RackSpace, Microsoft Azure. Conhecimento geral de Docker Containers. Liderança comprovada ou gerenciamento técnico em um ambiente de desenvolvimento de aplicativos. Experiência em ministrar cursos formais de treinamento técnico. Amplo conhecimento das questões da indústria de TI, tendências e conhecimento técnico no mercado de serviços financeiros. O candidato deve ter graduação em computação, engenharia ou área científica relacionada. Mais informações no link: https://www.intersystems.com/who-we-are/careers/ AoCubo A AoCubo tem duas vagas para o time de tecnologia e finanças e estratégia. As oportunidades são para a sede da empresa, na cidade de São Paulo, em regime de home office. Para a oportunidade no time de Finanças, Estratégia e Planejamento, a startup busca um profissional com formação em engenharia, economia, estatística ou administração de empresas, experiência em gestão de pessoas e processos e vivência em consultoria, planejamento estratégico. No time de tecnologia, a oportunidade é para o cargo de Analista de BI Sênior, e os interessados devem possuir experiência na área, conhecimento em SQL, Excel/ Google Sheets, inglês intermediário, além de formação superior em engenharia, economia, estatística ou administração de empresas. A imobiliária digital oferece salário compatível com o mercado e benefícios. Os interessados devem enviar o currículo para o e-mail: vagas@aocubo.com Divibank A Divibank está com 15 vagas e procura por 2 executivos de vendas sênior, 3 pessoas pleno/sênior para o time de marketing, 4 engenheiros de software de todos os níveis (jr./pleno/sênior), 1 especialista sênior de crédito e dados e 5 pessoas para o time de finanças e operações (Finance & Biz Ops). A empresa oferece seguro de saúde e dental, férias flexíveis, oportunidade de ter uma participação na empresa e horário de trabalho flexível. Os currículos podem ser enviados para o e-mail: vagas@divibank.co Suthub A Suthub tem 11 vagas abertas para cargos de Desenvolvedor Front End, Analista de QA/Testes, Analista de Segurança, Analista Cloud AWS, Analista de Documentação de Software, Product Owner e Account Manager. Os interessados podem encaminhar currículo para: rh@suthub.com NZN A NZN está com vagas abertas para Analista de Dados, Analista de Planejamento de Branded Content, Analista de SEO Pleno, Customer Success - Services JR, Desenvolvedor Full Stack PL, Editor(a) Pleno, Editor(a) Pleno - Acervo, Gerente de Desenvolvimento de Software, Product Designer PL e Sales Development Representative. O escritório da empresa fica localizado em Curitiba (PR), mas todas as vagas anunciadas são para trabalho remoto. Os candidatos podem se inscrever pelo link https://nzn.gupy.io/ Lalamove A Lalamove tem 16 vagas abertas nas áreas de finanças, vendas, customer experience, RH e operações. As inscrições podem ser feitas neste site. Matera A Matera está com 79 vagas abertas em áreas como suporte, projetos, compliance, software e muito mais. Inscrições pelo link: https://jobs.kenoby.com/matera. The Bridge A The Bridge tem mais de 150 vagas abertas para profissionais de tecnologia de todos os gêneros e níveis de senioridade. A maioria das vagas, nacionais e internacionais, são nas modalidades anywhere e home office. Os interessados podem se inscrever no site da The Bridge . SysMap Solutions A SysMap tem 120 vagas abertas, sendo em grande parte para analistas de diversas tecnologias, gestão de projetos, engenharia de dados, entre outras. A maioria das oportunidades é em regime de home office, permitindo a candidatura de profissionais de todo Brasil e do mundo. Mais informações estão disponíveis em https://www.sysmap.com.br/sejasysmap.php Blu A Blu tem 19 vagas nas áreas de Marketing de Produto, Tecnologia, Financeiro e Comercial. A contratação é CLT e possui benefícios como vale alimentação e refeição, plano de saúde e odontológico, seguro de vida, auxílio internet, entre outros. As oportunidades são no regime home office e aceitam candidaturas de todo o Brasil. Mais informações podem ser encontradas na plataforma da empresa. Apto O Apto está com 7 vagas. Na equipe de Marketing, a vaga é para Growth & SEO Marketing Analyst. No time de tecnologia, as posições são para Back-end Developer e Front-end Developer. Já para Costumer, há três oportunidades para as vagas de Sales Development Representative, Closer (Inside Sales) e B2C Communications & PR Specialist. A oportunidade de Business é para a posição de Market Intelligence Specialist. Todas as vagas são CLT, com benefícios, e o colaborador pode optar pelo trabalho remoto, semipresencial (híbrido) ou presencial na sede da empresa, localizada em São Paulo. Para se candidatar acesse o site https://apto.vc/carreiras. RankMyAPP A RankMyAPP está com cerca de 15 vagas abertas. Dentre as posições a serem ocupadas estão Account Manager Analyst, Analista de Dados Jr, Analista de Marketing Digital, Analista de Produto, Assistente Comercial (SDR), Assistente de Atendimento (SAC 2.0), Assistente de Relacionamento - Influencers, Customer Success, Data Scientist, Desenvolvedor(a) Full-Stack | Pleno e Sênior, Design Gráfico, Squad Lead e Tech Supervisor. Inscrições pelo link https://rankmyapp.gupy.io/ B4A A B4A (Beauty For All) está com mais de 20 vagas abertas em cargos nas áreas de social media, desenvolvimento de produtos, performance, marca própria, tecnologia da informação, comercial, CRM, B2B e B2C. Os interessados podem se inscrever pelo site https://jobs.kenoby.com/b4a. Bild Desenvolvimento Imobiliário A Bild Desenvolvimento Imobiliário está com vagas abertas para as áreas comercial, marketing, recursos humanos, engenharia, entre outras, com regime CLT e estágio nas cidades de Ribeirão Preto, Bauru, Sorocaba, Franca, Piracicaba, Marília, Araraquara, São José do Rio Preto, Uberaba e Uberlândia. Os interessados podem se candidatar pelo link. Vitta Residencial Incorporadora e Construtora A Vitta Residencial está com vagas abertas para diversas áreas em diferentes regiões do estado de São Paulo, entre elas posições nos setores de marketing, vendas e prospecção. Os interessados em participar podem se candidatar no link. Zettle A Zettle está com uma vaga aberta para agente de soluções ao cliente. A empresa procura um profissional que possa fornecer excelente suporte ao cliente através de diferentes canais: telefone, e-mail, chat ou redes sociais. Para aplicar na vaga, basta entrar neste link. Ativy A Ativy está com 20 vagas em regime CLT e estágio abertas para as áreas comercial, customer success, financeiro, marketing e tecnológica. Alguns dos cargos a serem preenchidos são de Assistente Comercial, Analista de CS, Arquiteto de Soluções, Engenheiro de Software, Desenvolvedor, Analista de Projetos Sênior, entre outros. Os interessados podem se inscrever neste link. Mutant A Mutant está com 60 vagas abertas em cargos como Analista de BI, Gerente de projetos, Coordenadora de Desenvolvimento URA e desenvolvedores de diferentes segmentos. Para se inscrever, basta acessar o link: https://mutantbrvagas.gupy.io/ FindUP A FindUP está com 5 vagas abertas em São Paulo e Pernambuco. Na capital paulista, os cargos disponíveis são para atuar como Analista de Projeto, Field Sales e Key Account. Já para os moradores de Recife, as vagas são para Desenvolvedor (a) Front-end pleno e Desenvolvedor (a) Nodejs Sênior. Os interessados podem se candidatar no site https://findup.jobs.recrut.ai/ . InfoJobs O InfoJobs está com oito oportunidades de emprego disponíveis para estagiário pré-vendas, inside sales jr, sales development representative, analista de customer success, analista de salesforce e executivo de novos negócios pleno. Os salários variam de R$ 1,6 mil a R$ 5 mil. Os interessados podem se candidatar pelo link https://infojobs.pandape.com.br/ . Pipo Saúde A Pipo Saúde está com 10 vagas abertas para Analista de dados; Analista de Operações de Benefícios Junior - Ativação; Analista de Operações de Benefícios Junior - Cotação; Analista de planejamento - CSOps Felicidade do Cliente; Designer de Produto; Especialista de Marketing de Produto; Estagiário/a de Operações de Dados; Executivo(a) de Vendas; Pessoa Engenheira de Software Pleno/Senior; e Product Manager. Para se candidatar, basta acessar o site: https://pipo-saude.breezy.hr/ Teladoc A Teladoc Health está com quatro vagas abertas na cidade de São Paulo em diversas áreas como Quality Analyst; Developer Analyst Jr; Senior Developer Specialist; e IT Help Desk. Os candidatos podem consultar o descritivo completo das vagas e se candidatar pelo LinkedIn da empresa. Sinch A Sinch anuncia a abertura de 36 vagas para diferentes posições e níveis de senioridade dentro da empresa. São oportunidades para as áreas de Infraestrutura e Segurança da Informação, Financeira, Recursos Humanos, Tecnologia, Marketing & Growth, Vendas e outras áreas para candidatos a vagas remotas. As candidaturas são a nível global e há específicas para as cidades de São Paulo e Campinas. Os interessados podem acessar a página de carreiras da empresa. Facily A Facily tem 40 posições abertas para as áreas de Tecnologia, RH, Marketing, Comercial e Logística. Os interessados podem enviar e-mail para: talentos@faci-ly.
Veja Mais

18/06 - Emprego: confira as 282 vagas ofertadas através da Agência do Trabalho em 19 municípios de Pernambuco nesta sexta-feira
Vendedor pracista, operador de caixa lotérica e geriatra estão entre oportunidades disponíveis. Atendimento de interessados nos postos de trabalho é feito mediante agendamento. Oportunidades desta sexta-feira (18) foram ofertadas em 19 municípios do estado Gilson Abreu/AEN O sistema público da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação (Seteq-PE), através das Agências do Trabalho, oferece 282 vagas de emprego em 19 municípios do estado, nesta sexta-feira (18). Do total, 74 oportunidades foram reservadas para pessoas com deficiência. Operador de empilhadeira, assistente administrativo, agente de microcrédito, estofador de móveis e encanador estão entre os postos de trabalho ofertados (confira lista completa mais abaixo). As vagas foram disponibilizadas no Recife (40), Bezerros (1), Cabo de Santo Agostinho (3), Camaragibe (3), Caruaru (11), Garanhuns (1), Goiana (66), Igarassu (1), Ipojuca (10), Nazaré da Mata (3), Palmares (2), Paudalho (1), Paulista (88), Petrolina (9), Salgueiro (4), Santa Cruz do Capibaribe (9), São Lourenço da Mata (8), Serra Talhada (4) e Vitória de Santo Antão (18). Os interessados devem realizar agendamento para as unidades da Agência do Trabalho através do site da Seteq-PE. Vagas de empregos Vagas para pessoas com deficiência Vagas temporárias Carteira digital Atualmente, o trabalhador pode usar a versão digital da carteira de trabalho (veja vídeo abaixo): Veja como ter acesso à carteira de trabalho digital VÍDEOS: Mais assistidos de PE nos últimos 7 dias
Veja Mais

18/06 - Veja as vagas de emprego oferecidas em Petrolina e Salgueiro nesta sexta-feira
Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. Carteira de trabalho Heloise Hamada/G1 Foram divulgadas as vagas de emprego disponíveis nesta sexta-feira (18) em Petrolina, Araripina e Salgueiro, no Sertão de Pernambuco. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco e atualizadas no G1 Petrolina. Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. O atendimento na Agência do Trabalho ocorre apenas com agendamento prévio, feito tanto pelo site da secretaria, quanto pelo Portal Cidadão. Petrolina Contato: (87) 3866 - 6540 Vagas disponíveis Salgueiro Contato: (87) 3871-8467 Vagas disponíveis Vídeos: mais assistidos do Sertão de PE
Veja Mais

18/06 - Por que a bolsa bate recordes em meio à crise? Entenda os motivos e avalie se é hora de investir
Avanço da vacinação, alta das commodities no exterior e recuperação das blue chips fez pontuação do Ibovespa avançar em junho; risco do país ainda pode gerar instabilidade no índice. Bovespa - Painel da bolsa de valores de São Paulo, B3, nesta quarta-feira (11). Cris Faga/Estadão Conteúdo A pouco mais de 10 dias do fim, junho já é considerado o mês mais intenso do semestre na bolsa de valores brasileira, a B3. Neste mês, ela alcançou os 130 mil pontos, bateu novos recordes e chegou a acumular oito altas consecutivas até o dia 7 — na maior série de ganhos desde 2018. Isso, apenas três meses após recuar a 110 mil pontos por conta da insegurança do mercado com a segunda onda da Covid-19 no país. O que mudou de lá para cá? Entre outros indicadores que apontaram melhora, houve avanço de 1,2% no PIB do 1º trimestre deste ano. No entanto, especialistas garantem que o Brasil já vive a terceira onda da pandemia, com pouco mais de 10% da população totalmente vacinada, e registrando níveis recordes de desemprego e alto índice de inflação. Com o país ainda em crise, o que justifica, então, os recordes da Bolsa? Confira abaixo os principais motivos dessa inflexão: Vacinação contra a Covid-19 Cristine Rochol/PMPA Avanço da vacinação Dados do consórcio de veículos de imprensa divulgados nesta quinta-feira (17) apontam que 28,51% da população tomou a primeira dose da vacina contra Covid-19. A segunda dose, no entanto, foi aplicada em apenas 11,37% dos brasileiros. Apesar dos números ainda estarem baixos, a partir de maio houve uma evolução nos números de aplicação do imunizante. São Paulo, por exemplo, adiantou o calendário de vacinação em um mês. "A evolução da vacinação começa a dar uma perspectiva positiva para o país e cria uma luz no fim do túnel para a gente", avalia Claudia Yoshinaga, coordenadora do Centro de Estudos em Finanças da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV). Influência de mercados externos O desempenho de mercados externos, principalmente de Wall Street, reflete diretamente na bolsa brasileira. Isso porque a maior parte do investimento feito no país vem do exterior, explicaram os economistas. Se algum parceiro comercial do Brasil passa por problemas econômicos, o mercado sofre os efeitos dessa adversidade. A desaceleração da China no último semestre de 2019 foi um exemplo do efeito dominó em diversos mercados, incluindo o Brasil. Prejudicada pela guerra comercial com os EUA e pelo estopim da Covid-19, o país asiático reduziu a quantidade de importações, provocando uma queda nos preços das commodities. O contrário também acontece – e é o que vem ocorrendo no momento. Incentivados pelo ritmo de vacinação e pelo pacote trilionário de ajuda econômica, os mercados dos EUA vivem um momento otimista, que se reflete por aqui. Juros do Brasil e dos EUA As taxas de juros no Brasil e do exterior também tem influência direta na bolsa brasileira. O efeito é o mesmo: juros baixos tornam menos atrativos investimentos em renda fixa e títulos públicos, e acabam por levar mais recursos à bolsa de valores, em busca de retornos maiores. Por aqui, a taxa de juros atingiu a mínima histórica de 2% ao ano em agosto de 2020 e permaneceu nesse patamar até janeiro deste ano, quando voltou a subir. Nesta quarta-feira (16), ela atingiu 4,25% ao ano, com tendência de novas altas. Segundo Virgínia Prestes, professora de finanças da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), como a Selic ainda está baixa, no entanto, não deve haver uma grande movimentação na bolsa até o final do ano. E se a alta aqui foi pouca, lá fora houve nenhuma, e os juros seguem em pisos históricos: na tarde desta quarta, o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) decidiu manter inalteradas suas taxas de juros, apesar da elevação da inflação no país. A taxa básica foi mantida no piso entre zero e 0,25%. A projeção de alta foi antecipada para 2023. "Nos EUA, a magnitudade é muito maior porque lá é mais seguro para investimentos. Quando eles aumentam a taxa de juros, há uma migração muito grande de liquidez para lá", disse a especialista. Plataforma de exploração de petróleo Reprodução/ TV Globo Valorização das commodities no exterior De acordo com João Guilherme Penteado, CEO da Apollo Investimentos, as commodities — como petróleo e minério — também registraram um bom desempenho no exterior, impactando positivamente o Ibovespa. " A influência externa é muito intensa na bolsa brasileira. Há muita liquidez global", analisou Penteado. Placa de 'Passo o Ponto' em restaurante na região da Berrini, em São Paulo. Reportagem do G1 identificou mais de 20 restaurantes fechados na região. Marcelo Brandt/G1 Ibovespa não reflete economia do país O principal ponto que justifica o rali do Ibovespa em meio à crise brasileira é o fato do índice não refletir o cenário econômico do país, apontaram os especialistas. Segundo Claudia, apesar de os brasileiros perderem o poder de compra por conta da alta inflação e os pedidos de falência crescerem mais de 50%, atingindo principalmente pequenas empresas, a bolsa tem nas grandes companhias (chamadas blue chips) o grande impulso para avançar em pontuação. "As grandes empresas sofreram o impacto da pandemia também, mas são robustas, tomaram empréstimos bancários e conseguiram manter minimamente suas receitas. Isso não aconteceu com [grande parte] dos pequenos comércios", comparou a coordenadora da FGV. É hora de investir? Virginia, da FAAP, afirma que a bolsa antecipa movimentos: reflete hoje o que o mercado prevê para o próximo trimestre. O momento atual é positivo, afirma. "A bolsa está em máxima histórica. Não podemos falar que ela caiu, mesmo tendo registrado índice negativo. Ela teve apenas lateralização, com ajustes leves. Os investidores estão de olho em tudo porque ninguém quer ser o último a apagar a luz", disse. Penteado, da Apollo, pondera que ainda é muito cedo para se falar em retomada e que ainda há muito risco no país. Ou seja, a bolsa pode sofrer grandes flutuações nos próximos meses – e o investidor precisa estar preparado para eventuais perdas. "Temos muitos problemas que precisam ser solucionados para entrarmos no eixo de retomada, como a questão fiscal. Quando o país começar a entrar no eixo, chegará a eleição, com um risco fiscal enorme", avaliou. Claudia, da FGV, concorda com os desafios que o Brasil ainda tem de enfrentar, mas afirma ser possível aproveitar esse movimento com cautela, principalmente por investidores que são propensos ao risco. "Existe um otimismo, mas existe também uma preocupação porque é um dinheiro que entra e sai fácil". Para quem quiser investir, vale sempre a máxima: cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém.
Veja Mais

18/06 - Auxílio Emergencial 2021: inscritos via app e site começam a receber a 3ª parcela do benefício
Para os trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, pagamentos começaram na quinta-feira (17). A Caixa Econômica Federal (Caixa) começa a pagar nesta sexta-feira (18) a terceira parcela do Auxílio Emergencial para os beneficiários inscritos no programa por meio do site e do aplicativo, além daqueles que fazem parte do Cadastro Único, mas estão fora do Bolsa Família. Os primeiros a receber são os aniversariantes em janeiro. As transferências serão feitas para 2,25 milhões de trabalhadores, num repasse total de R$ 464,3 milhões, segundo o Ministério da Cidadania. Para os beneficiários que fazem parte do bolsa, os pagamentos começaram na quinta-feira. Nesta sexta, recebem os que têm o NIS encerrado em 2. Terei direito? Quanto vou receber? Veja perguntas e respostas Veja o calendário completo Veja como saber se você vai receber Saiba como contestar se você teve o beneficio negado Beneficiário precisa estar com o CPF regular; saiba como fazer SAIBA TUDO SOBRE O AUXÍLIO EMERGENCIAL Para quem não é do Bolsa Família, o crédito será feito em poupança social digital da Caixa, e poderá ser usado inicialmente para compras e pagamentos digitais – saques e transferências serão liberados em 1º de julho. Já para os beneficiários o Bolsa, os pagamentos são feitos da mesma forma que o benefício original. (veja nos calendários mais abaixo). Auxílio emergencial 2021: entenda as regras da nova rodada RECEBEM NESTA SEXTA: beneficiários do Bolsa Família com NIS final 2 trabalhadores que não fazem parte do Bolsa Família, nascidos em janeiro Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial, pelo site auxilio.caixa.gov.br ou pelo https://consultaauxilio.cidadania.gov.br/ Calendários de pagamento Veja abaixo os calendários de pagamento. BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA Segundo o Ministério da Cidadania, 9,77 milhões de famílias receberão a terceira parcela do Auxílio Emergencial 2021. Auxílio Emergencial 2021 Bolsa Família Economia G1 BENEFICIÁRIOS FORA DO BOLSA FAMÍLIA Auxílio Emergencial calendário completo 15.06.21 Economia G1 VÍDEOS: as últimas notícias sobre o Auxílio Emergencial b
Veja Mais

18/06 - EUA flexibilizam sanções contra o governo Maduro na Venezuela para o combate à Covid-19
Entrega de materiais e insumos para combater o coronavírus fica permitida, mas negócios com empresas venezuelanas incluídas nas sanções, não. País tem vacinação lenta e alto número de casos de Covid. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, recebe uma dose da vacina contra o coronavírus Sputnik V em Caracas, Venezuela, no dia 6 de março de 2021 Palácio Miraflores/Jhonander Gamarra via Reuters Os Estados Unidos permitiram nesta quinta-feira (17) certas transações no âmbito das sanções econômicas que vigoram contra o governo de Nicolás Maduro na Venezuela para facilitar a luta contra a Covid-19 no país sul-americano (saiba mais sobre a situação da pandemia entre os venezuelanos no fim da reportagem). Sem suspender as medidas punitivas impostas a Caracas, o governo de Joe Biden emitiu licenças que autorizam a entrega de: máscaras respiradores e tanques de oxigênio vacinas testes de detecção outros tipo de material hospitalar para atender à crise sanitária. VÍDEO: ONU pediu fim de sanções à Venezuela em fevereiro ONU pede fim de sanções à Venezuela O Departamento do Tesouro informou que a decisão responde a um memorando emitido por Biden ao assumir o cargo em janeiro, no qual dispôs a revisão de todas as sanções que poderiam estar "obstruindo indevidamente" o combate à pandemia. "Estas novas autorizações vão apoiar ainda mais o trabalho crucial dos governos, das organizações internacionais, das organizações não governamentais e dos atores do setor privado para dar assistência relacionada com a Covid-19", destacou o Tesouro em um comunicado. Washington, que não reconhece a reeleição de Maduro, por considerá-la fraudulenta, incrementou as sanções econômicas e a pressão diplomática contra Caracas em janeiro de 2019, quando o presidente socialista assumiu um segundo mandato. Tanques com o logo da PDVSA em refinaria em Curaçao; foto de 22/04/2018 Andres Martinez Casares/Reuters As medidas tomadas pela administração de Donald Trump incluem um embargo de fato ao petróleo venezuelano, crucial para a economia da ex-potência petroleira. Maduro classifica as sanções americanas como um "crime contra a humanidade". O Tesouro dos Estados Unidos especificou que as autorizações emitidas nesta quinta-feira não permitem a exportação de nenhum bem, tecnologia ou serviço a militares, agentes das forças de ordem ou pessoal de Inteligência da Venezuela. Não têm luz verde as transações que envolvam a estatal petroleira PDVSA, nem tampouco o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social da Venezuela (Bandes), o Bandes Uruguay ou entidades que estes possuam, disse. As sanções do Tesouro proíbem o acesso ao sistema financeiro americano e bloqueiam todos os eventuais ativos que os implicados tenham sob a jurisdição dos Estados Unidos. Pandemia na Venezuela Aglomeração é registrada em frente a posto de vacinação contra a Covid-19 em hotel em Caracas, na Venezuela, nesta segunda-feira (31) Leonardo Fernandez Viloria/Reuters Na semana passada, a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, disse que dez milhões de dólares destinados ao sistema global Covax para acessar vacinas anticovid tinham sido "bloqueados" por um banco suíço, atrasando o processo de compra. A Organização Pan-americana da Saúde (Opas), que facilita a aquisição de imunizantes contra a Covid-19 no continente americano, destacou na quarta-feira que aguarda-se o cancelamento da dívida para dispor a entrega. A Venezuela, com 30 milhões de habitantes, vive uma forte onda da pandemia que sobrecarrega os centros de saúde. Além da emergência sanitária, o país está mergulhado em uma crise socioeconômica, aprofundada desde a chegada ao poder de Maduro, em 2013, uma situação que, segundo a ONU, provocou o êxodo de mais de 5,6 milhões de pessoas.
Veja Mais

18/06 - Denúncias contra homofobia na internet crescem 106% nos primeiros seis meses de 2021
Alta na quantidade de ameaças e ofensas à população LGBT entre janeiro e a primeira metade de junho foi registrada em levantamento da ONG SaferNet. Central investiga ataques homofóbicos na internet As denúncias contra homofobia na internet registraram alta de 106% entre janeiro e a primeira metade de junho de 2021, na comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados são da ONG SaferNet, que atua no combate aos crimes virtuais. A Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos da SaferNet recebeu 2.529 denúncias de homofobia na internet desde o início de 2021. Neste mesmo intervalo em 2020, a associação havia registrado 1.226 denúncias. “Nós tivemos nos últimos anos um avanço muito significativo na conquista de direitos civis especialmente da população LGBT”, disse a diretora da SaferNet, Juliana Cunha. “Isso faz com que haja uma espécie de reação e uma tentativa de retrocesso dessas conquistas”. Em São Paulo, a Parada do Orgulho LGBT teve de adotar mecanismos para impedir a publicação de comentários homofóbicos durante a transmissão ao vivo na internet. Os organizadores afirmaram que, na edição de 2020, foram mais de 200 mensagens com ameaças de morte à população LGBT na transmissão do evento. Os autores destes comentários estão sendo identificados e o caso será denunciado ao Ministério Público Federal (MPF). Na Parada do Orgulho LGBT de 2021, realizada no último dia 6 de junho, uma equipe de técnicos usou filtros da rede social em que a transmissão foi realizada para bloquear mensagens com ameaças e ofensas. As mensagens que escapavam dos filtros eram apagadas manualmente pelos técnicos. Facebook libera mais recursos para administradores controlarem o que é publicado em grupos O vice-presidente da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, Renato Viterbo, apontou que, com as mudanças, não encontrou nenhum tipo de ameaça mais grave durante as 8 horas de transmissão. “A nossa preocupação não é afrontar a sociedade, e sim ser feliz da maneira que nós somos, da maneira que nascemos”, afirmou.
Veja Mais

17/06 - Realidade virtual se desenvolve 'mais rápido do que o previsto', diz Zuckerberg
Dono do Facebook afirma que, no futuro, objetos atuais, como aparelhos de TV darão ligar a projeções ou hologramas por meio de óculos inteligentes. Com a realidade aumentada, pulseira poderá efetuar comandos do usuário Facebook A realidade aumentada e a realidade virtual estão se desenvolvendo mais rápido do que o previsto, afirmou o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg. "Isso começou a decolar um pouco mais rápido do que pensávamos", disse Zuckerberg, entrevistado ao vivo por videoconferência por um dos co-fundadores da Vivatech, um evento parisiense dedicado a startups e a inovação. O Facebook, que recentemente lançou sua nova máscara de realidade virtual Oculus Quest 2, atualmente emprega 10.000 pessoas nessa indústria de realidade aumentada, disse Zuckerberg. Protótipo de óculos inteligente do Facebook, chamado de "Project Aria". Divulgação/Facebook "Investimos milhares e milhares e bilhões de dólares" nessa tecnologia, para construir "um futuro extraordinário em 5 ou 10 anos", previu o empresário. Aplicativos para máscaras de realidade virtual como o Oculus e seus concorrentes "começam" a se distanciar dos videogames, sua primeira área de desenvolvimento, disse o chefe do Facebook. Zuckerberg citou os apps de treinamento esportivo como exemplo: "Você tem uma assinatura, pega uma máscara e de repente se vê em um ambiente incrível, tendo uma aula de boxe ou dança com um professor", explicou. Além disso, descreveu sua visão de uma espécie de universo virtual em que é possível comprar bens virtuais. "Pense em todas as coisas em sua vida que realmente não precisam ser físicas e que poderiam ser substituídas por um holograma em um mundo onde você usa óculos inteligentes", comentou o presidente do Facebook. "As televisões não precisarão mais existir fisicamente, isso poderia ser simplesmente um aplicativo" que, através desses óculos, "projeta em uma parede" imagens "que podem ser compartilhadas com amigos", acrescentou. "Em vez de ter que produzir uma televisão ou qualquer tipo de objeto físico complexo, exigindo fábricas, matérias-primas, qualquer criança ou desenvolvedor no mundo será capaz de fazer isso com um conjunto de ferramentas de design em 3D e codificação, e vender seus produtos ao redor do mundo, sem ter que se preocupar com logística ou exportações", afirmou. Para o Facebook, a realidade aumentada ou virtual não é apenas "uma maneira de criar uma ótima experiência nova, mas de criar uma onda econômica que pode criar oportunidades para pessoas em todo o mundo", disse ele. VÍDEO: Facebook mostrou pulseira que pode controlar o Occulos Veja como funciona a pulseira inteligente do Facebook SAIBA MAIS: Facebook anuncia 'pulseira inteligente' que poderá controlar óculos de realidade aumentada
Veja Mais

17/06 - O 'navio-robô' que vai recriar viagem histórica pelo Atlântico
O Mayflower Autonomous Ship está coletando dados depois de deixar Plymouth durante seu percurso com destino aos Estados Unidos. A viagem do navio autônomo Mayflower deve durar cerca de três semanas. Oliver Dickinson for IBM/Promare Um navio-robô sem tripulação, projetado para recriar a jornada histórica do Mayflower através do Atlântico há 400 anos, começou sua travessia no oceano nesta semana. O Mayflower Autonomous Ship (MAS) saiu em uma jornada de 3.500 milhas (5.630 km) de Plymouth, no Reino Unido, a Massachusetts, nos Estados Unidos. A viagem está prevista para durar cerca de três semanas, segundo os idealizadores do projeto. O veículo ainda desenvolverá experimentos durante a jornada, coletando dados sobre a vida marinha e mostras de resíduos plásticos. A viagem do MAS, criado pela empresa de pesquisa oceânica sem fins lucrativos ProMare e pela gigante da computação IBM, faz parte das comemorações oficiais do Mayflower 400. O navio não tripulado foi criado para demonstrar o desenvolvimento tecnológico ao longo dos séculos desde que os Peregrinos saíram em direção ao Novo Mundo, afirmaram os idealizadores do projeto. O navio autônomo Mayflower está no oceano Atlântico após uma escala nas ilhas de Scilly. Oliver Dickinson for IBM/Promare O trimarã de 15 metros de comprimento é movido a energia solar. Ele é capaz de atingir uma velocidade de até 10 nós (20 km/h) e é guiado por uma inteligência artificial (IA), que recebe informações de seis câmeras e 50 sensores. O veículo navegou de Plymouth para as ilhas Scilly na terça-feira (15/06). Na quarta-feira (16/06), partiu novamente e entrou em águas internacionais, segundo os desenvolvedores. Travessia original durou 2 meses O diretor do projeto, Brett Phaneuf, disse que estava "incrivelmente nervoso" e que vai "continuar completamente tenso nas próximas três semanas". "Sei que todos na minha equipe estão sentindo o mesmo nó na boca do estômago. Ninguém terminou (uma viagem como esta) ainda, mas o tempo está perfeito para isso." O Mayflower original era maior e mais impressionante, mas mais lento e dependente de humanos para guiá-lo. IBM O Mayflower original era uma embarcação de madeira de três mastros, com 30 metros de comprimento, velas de lona e atingia uma velocidade máxima de 3 nós (6 km/ h). Na época, transportou 102 passageiros e uma tripulação de cerca de 30 pessoas de Plymouth a Cape Cod, em Massachusetts. A travessia de 1620 demorou mais de dois meses. A versão 2020 é feita de um composto de alumínio, com um gerador a diesel de reserva para acompanhar as baterias movidas a energia solar. O progresso do navio-robô pode ser acompanhado pelo site MAS400.
Veja Mais

17/06 - MP da Eletrobras: Senado aprova texto com mudanças que podem aumentar conta de luz; entenda
Entidades falam em 'minirreforma do setor elétrico' e criticam inclusão de 'jabutis', trechos sem relação com tema original da MP. Governo diz que conta de luz pode ficar até 7,36% mais barata. Senado aprova MP que abre caminho para a privatização da Eletrobras O Senado aprovou nesta quinta-feira (17) a medida provisória que viabiliza a privatização da Eletrobras, maior empresa de energia elétrica da América Latina. Enquanto o governo afirma que a privatização reduzirá a conta de luz em até 7,36%, entidades do setor elétrico afirmam que a conta vai encarecer. Saiba como votou cada senador VÍDEO: Economista comenta aprovação de MP que viabiliza privatização da Eletrobras Como os senadores alteraram parte da versão aprovada pela Câmara, o projeto precisa ser novamente analisado pelos deputados. A votação está prevista para a próxima segunda (21), um dia antes de a MP perder a validade. Na votação desta quinta, os senadores mantiveram a maior parte dos "jabutis" incluídos pelos deputados e acrescentaram outros. No jargão do Congresso, "jabuti" é um trecho sem relação com o objeto original da proposta (autorizar a venda da Eletrobras). Eliane sobre privatização da Eletrobras: 'Mais uma vez, prevaleceu o interesse político' Itens que podem aumentar conta de luz Entenda, abaixo, as principais adições feitas pelo Senado à MP da Eletrobras e o impacto desses trechos: Termelétricas O texto exige a contratação de usinas termelétricas movidas a gás natural. Os senadores elevaram a potência a ser contratada, de 6 mil megawatts (MW) para 8 mil MW. Essas usinas terão de entrar em operação entre 2026 e 2030. Os contratos são para geração de energia por 15 anos. A energia produzida pelas usinas termelétricas é mais cara se comparada às usinas hidrelétricas, eólicas e solares. Atualmente, o país conta com 22 mil MW de potência de geração térmica, e a MP amplia em 36% a capacidade de geração térmica do país. Parlamentares também criticam a definição sobre onde essas usinas devem estar instaladas. Pelo texto aprovado no Senado, a contratação deverá ser assim dividida: 1 mil MW na região Nordeste em regiões metropolitanas cuja capital não possua fornecimento de gás natural; 2,5 mil MW na região Norte, instalando as térmicas em pelo menos duas capitais sem fornecimento de gás; 2,5 mil MW na região Centro-Oeste nas capitais ou regiões metropolitanas que não possuem fornecimento de gás; e 2 mil MW para o Sudeste, sendo 1,25 mil MW para os estados produtores de gás e 0,75 para os não produtores, caso de Minas Gerais. Como parte das regiões escolhidas não possui infraestrutura de transporte de gás natural, gasodutos terão de ser construídos, o que pode elevar os custos para os consumidores de energia. Atualmente, o país conta com 98 mil quilômetros de gasodutos, extensão restrita à costa brasileira. O Ministério de Minas e Energia afirma que, a partir de 2026, o governo já teria que contratar usinas termelétricas para substituir os contratos que acabam a partir de 2027. O governo também alega que as usinas contratadas substituirão térmicas que usam óleo combustível e carvão. Pequenas Centrais Hidrelétricas Outro ponto apontado pelos parlamentares como "jabuti" é a criação de reserva de mercado para Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs). Especialistas dizem que a medida pode encarecer a conta porque a reserva de mercado contraria o princípio da livre concorrência nos leilões. Além disso, a energia produzida pelas PCHs não é controlada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Pela nova regra, os próximos leilões deverão prever a contratação de pelo menos 50% dessas pequenas centrais. Porém, essa contratação não pode superar 2 mil MW (quantidade suficiente para atender cerca de 2,5 milhões de pessoas). Ultrapassados os 2 mil MW, o percentual cai para 40%. A regra vale para os leilões até 2026. As PCHs são pequenas usinas com potência de geração de energia de até 50 MW, com área total do reservatório de água igual ou inferior a três quilômetros quadrados. Incentivo a fontes alternativas Os parlamentares incluíram na MP da privatização da Eletrobras a prorrogação, por mais 20 anos, dos contratos do Programa de Incentivos às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa). A crítica é que o preço pago pela energia dos projetos do Proinfa é superior ao valor de mercado, gerando custo adicional para os consumidores, segundo os especialistas. O governo afirma que o projeto tem um dispositivo que garante que os contratos somente serão renovados caso a Agência Nacional do Setor Elétrico (Aneel) constate benefícios tarifários para o consumidor. Indenização ao Piauí Os senadores também incluíram na MP da Eletrobras uma previsão de indenização ao estado do Piauí por conta da privatização da Cepisa, a distribuidora local de energia, em 2018. A indenização terá de ser paga pela Eletrobras, e o valor estimado é de R$ 260 milhões até 2023. O custo será repassado ao consumidor. 'Jabuti' retirado A previsão inicial era de que o Senado votasse a MP da Eletrobras na noite desta quarta (16), mas a falta de consenso sobre a proposta adiou a análise para esta quinta. Nesse intervalo, enquanto incluía diversos pontos no texto, o senador relator Marcos Rogério (DEM-RO) retirou um dos "jabutis" previstos anteriormente: a prorrogação até 2035 do subsídio às usinas termelétricas movidas a carvão mineral. Essas usinas a carvão são ainda mais caras e altamente poluentes em relação aos outros tipos de usinas térmicas. Com isso, o subsídio – bancado pelo consumidor nas tarifas de energia – continua expirando em 2027.
Veja Mais

17/06 - Ação da Cidadania critica proposta de Guedes de doar alimentos desperdiçados para programas sociais
Em nota, ONG criticou o 'desmantelamento' de políticas públicas que buscam o combate à fome no país. A ONG Ação da Cidadania criticou a proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, de direcionar alimentos desperdiçados para programas sociais. Nesta quinta-feira (17), Guedes afirmou que o governo estudará formas de doar alimentos desperdiçados pelas famílias brasileiras aos programas sociais – inclusive ao Bolsa Família. Em nota, a ONG afirmou que o "combate à fome será efetivamente realizado a partir da construção de políticas públicas neste sentido, e não pelo desmantelamento delas como vemos constatando." No comunicado, a Ação Cidadania criticou a redução do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) de pequenos produtores, a queda na distribuição de cestas básicas para grupos populacionais tradicionais e a diminuição da verba para o programa de cisternas na zona rural e para a aquisição de alimentos para estudantes. Segundo Guedes, um grupo interministerial será formado com as pastas de Cidadania e de Agricultura para debater o direcionamento de alimentos. O ministro não informou data para o anúncio de uma proposta final. Brasileiro desperdiça, por ano, 41 quilos de comida Em 2019, o Jornal Nacional mostrou que cada brasileiro manda para o lixo mais de 41 quilos de comida por ano (vídeo acima). Em uma família com três moradores, esse volume chega perto dos 130 quilos. O país descarta, por ano, quase 37 milhões de toneladas de lixo orgânico – basicamente, restos de alimento. É quase 50% de todo o lixo recolhido no país. Vídeos: Últimas notícias de economia
Veja Mais

17/06 - STF começa a julgar validade de direitos previstos em acordo já vencido entre patrão e empregado
Sessão do plenário do Supremo desta quinta-feira foi suspensa em razão do horário. Nova data será marcada para a continuidade do julgamento. O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a analisar nesta quinta-feira (17) se mantém a regra que garante ao trabalhador direitos de acordos coletivos já vencidos entre patrões e empregados. Em 2016, o relator, ministro Gilmar Mendes, concedeu liminar (decisão provisória) a fim de suspender todos os processos em andamento na Justiça do Trabalho que têm por base a regra segundo a qual esses direitos vigoram até que nova negociação seja firmada pelo sindicato ou grupo da categoria. Mendes ainda não apresentou o voto. A sessão do plenário do STF nesta quinta-feira foi suspensa em razão do horário, e uma nova data será marcada para a continuidade do julgamento. Ao conceder a liminar, o relator disse que a norma protege somente o trabalhador, ignorando que um acordo coletivo deve considerar, segundo ele, os dois lados da relação – empregado e empregador. Mendes suspendeu processos que envolvem a súmula 277 do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Essa súmula prevê que as cláusulas do acordo coletivo ficam incorporadas ao contrato individual de trabalho até uma nova convenção – isso é chamado no direito de "princípio da ultratividade". Uma súmula serve para orientar os juízes do trabalho sobre como decidir em determinada questão. A ação foi apresentada pela Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenen). A entidade questionou a súmula do TST e entendimentos de tribunais trabalhistas tomados com base nessa súmula. Para a Confenem, a súmula contrariou a Constituição e o princípio da separação de poderes, uma vez que o Congresso revogou lei que instituiu o princípio da ultratividade (o de que um acordo coletivo continuaria valendo até uma nova negociação coletiva). Segundo o processo, em 1988 o TSE editou a súmula para afirmar que as condições de trabalho previstas em acordo coletivo somente vigorariam pelo prazo estipulado. Em 2012, o TST determinou que, quando vencesse um acordo coletivo, as regras, como benefícios e reajustes, ficariam valendo até a próxima convenção coletiva. Ou seja, até que sindicato e patrões negociassem mais uma vez e fechassem um acordo. VÍDEOS: notícias de economia
Veja Mais

17/06 - Senado aprova MP que viabiliza privatização da Eletrobras; texto volta à Câmara
Governo argumenta que privatização vai baratear conta de luz; entidades dizem que vai encarecer. Parlamentares criticam inclusão de 'jabutis', trechos sem relação com o objeto original. Texto-base da MP que permite a privatização da Eletrobras é aprovado no Senado O Senado aprovou nesta quinta-feira (17) a medida provisória que viabiliza a privatização da Eletrobras, a maior empresa de energia elétrica da América Latina. Em um primeiro momento da sessão, os senadores votaram o texto-base, aprovado por 42 votos a 37. Depois, passaram à análise dos destaques, isto é, propostas que visavam modificar o conteúdo da MP, e todos foram rejeitados. Saiba como votou cada senador Saiba como MP pode aumentar conta de luz Como houve mudanças na versão aprovada pela Câmara dos Deputados, no mês passado, o texto precisará ser novamente analisado pelos deputados. A votação está prevista para a próxima segunda (21), um dia antes de a MP perder validade. O texto incluiu "jabutis", jargão utilizado por parlamentares em referência a trechos sem relação com o objeto original da MP (leia detalhes mais abaixo). O governo afirma que a privatização da Eletrobras pode reduzir a conta de luz em até 7,36%. Entidades do setor elétrico, contudo, dizem que a conta pode ficar mais cara. Durante a sessão, novas versões do relatório do senador Marcos Rogério (DEM-RO) foram apresentadas, e vários senadores discursaram sobre o texto. Senado discute MP que abre caminho para privatização da Eletrobras Objetivo central da proposta Atualmente, a União possui cerca de 60% das ações da Eletrobras e controla a estatal. Com a capitalização, a partir da emissão de ações, deve reduzir a participação na empresa para menos de 50%. A projeção é que a União fique com cerca de 45% das ações. Entre outros pontos, a proposta prevê que: o aumento do capital social da empresa será por meio da oferta pública de ações; cada acionista ou grupo de acionistas não terá poder de voto superior a 10%;; a União terá ação preferencial de classe especial, a "golden share", que dará poder de veto nas deliberações sobre o estatuto social da empresa. Miriam Leitão: ‘Para privatizar a Eletrobras, Governo está aceitando todo tipo de jabuti' Termelétricas a gás A proposta prevê expansão da geração de energia elétrica por termelétricas movidas a gás natural. Esse é, segundo senadores contrários à previsão, um dos "jabutis da proposta". A energia a gás natural é mais cara e, de acordo com especialistas, o valor de contratação será repassado aos consumidores. Pelo texto aprovado no Senado, terão de ser contratados 8 mil megawatts, quantidade suficiente para atender quase 10 milhões de brasileiros. Essas usinas termelétricas a gás natural terão de entrar em operação entre 2026 e 2030. Os contratos são para geração de energia por 15 anos. As usinas termelétricas são consideradas importantes para aumentar a segurança do sistema elétrico brasileiro, pois não dependem de fatores naturais para funcionar, como chuva, vento e sol. Porém, são mais caras e poluentes que as usinas hidrelétricas, eólica e solar. Pelo texto, a contratação deverá ser assim dividida: 1 mil MW na região Nordeste em regiões metropolitanas cuja capital não possua fornecimento de gás natural; 2,5 mil MW na região Norte, instalando as térmicas em pelo menos duas capitais sem fornecimento de gás; 2,5 mil MW na região Centro-Oeste nas capitais ou regiões metropolitanas que não possuem fornecimento de gás; 2 mil MW para o Sudeste, sendo 1,25 mil MW para os estados produtores de gás e 0,75 mil MW para os não produtores, caso de Minas Gerais. Os leilões terão um preço teto de R$ 370 por MW/hora, valor a ser atualizado até a data de contratação. Como parte das regiões escolhidas não possui infraestrutura de transporte de gás natural, associações do setor calculam em cerca de R$ 20 bilhões o valor para implementação dessa infraestrutura. Privatização da Eletrobras pode impactar conta de luz Pequenas centrais hidrelétricas Outro trecho considerado "jabuti" cria reserva de mercado para Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs). Os próximos leilões do governo para contratação de energia deverão prever a contratação de pelo menos 50% dessas pequenas centrais. Porém, essa contratação não pode superar 2 mil MW – quantidade suficiente para atender cerca de 2,5 milhões de pessoas. Ultrapassados os 2 mil MW, o percentual cai para 40%. A regra vale para os leilões até 2026. As PCHs são pequenas usinas com potência de geração de energia de até 50 MW, com área total do reservatório de água igual ou inferior a três quilômetros quadrados. Esse item, segundo os senadores contrários à MP, também gerará repasse de custos aos consumidores. Proinfa Outro trecho visto como "jabuti" é o que prevê a prorrogação por mais 20 anos dos contratos do Programa de Incentivos às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa). A crítica é que esse programa incentiva a contratação de fontes alternativas de energia, como a eólica, mas o preço pago pela energia dos projetos do Proinfa está acima do de mercado, gerando custo adicional para os consumidores, segundo os especialistas. O PSDB apresentou um destaque para retirar os "jabutis". Entretanto, a proposta foi rejeitada pelos senadores. Outros pontos da MP O texto aprovado também estabelece, entre outros pontos: Indenização ao Piauí: o relator no Senado acolheu sugestão de Marcelo Castro (MDB-PI), a qual prevê a indenização do estado do Piauí pela venda da Cepisa. O valor a ser pago estaria estimado em R$ 260,4 milhões. Sabatina no Operador Nacional do Sistema: Segundo emenda do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), acolhida pelo relator, caberá ao Senado sabatinar e aprovar indicados para a diretoria do ONS, órgão responsável pela coordenação e controle da operação das instalações de geração e transmissão de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional (SIN). Eletronuclear e Itaipu: A proposta autoriza o governo federal a criar uma empresa pública ou sociedade de economia mista para administrar a Eletronuclear (que controla as usinas de Angra) e a Itaipu Binacional. Linhão do Tucuruí: Texto prevê que o governo possa autorizar a construção do Linhão do Tucuruí, ligando Manaus (AM) a Boa Vista (RR), sem necessidade de aprovação de licenças ambientais do Ibama e da Funai. 'Jabuti' retirado Foi retirado da proposta um trecho considerado "jabuti", que estendia até 2035 um subsídio à geração de energia elétrica por meio de usinas termelétricas movidas a carvão mineral. Essas usinas a carvão são ainda mais caras e altamente poluentes em relação aos outros tipos de usinas térmicas. Com isso, o subsídio – que é bancado pelo consumidor nas tarifas de energia – continua com o fim previsto para 2027. O que disseram os senadores Durante a sessão, senadores contrários ao texto afirmaram que a votação estava acontecendo de maneira “atropelada”. Segundo eles, o relatório foi apresentado de última hora, não houve estudos para avaliar o impacto da medida e ela pode representar aumento no valor da energia ao consumidor. Já parlamentares favoráveis rebateram as críticas e afirmaram que o texto evitaria o risco de apagão e recuperaria o protagonismo da Eletrobras. Líder da minoria, o senador Jean Paul Prates (PT-RN) disse que estava havendo uma “barganha de megawatts” ao comentar as mudanças feitas pelo relator. “Nós estamos tratando disso aqui agora como se fosse uma ‘xepa energética’”, disse. A senadora Simone Tebet (MDB-MS), antes favorável ao texto, disse que mudou de posição após as alterações feitas à matéria original. Líder do Podemos, o senador Alvaro Dias (PR) chamou a medida de “retrocesso”, afirmou que não houve estudos suficientes sobre a medida e afirmou que cabe uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin) contra o texto. Já o relator do projeto, senador Marcos Rogério, sustentou que com o novo modelo de capitalização, a Eletrobras “terá de volta o seu protagonismo, com condições de investir, com condições de gerar energia mais barata e cada vez mais limpa”. Ex-ministro de Minas e Energia durante o governo Dilma Rousseff, Eduardo Braga (MDB-AM) defendeu a medida provisória e afirmou que a proposta significará energia mais barata ao consumidor. Líder do PL, Carlos Portinho (RJ) ressaltou que a medida traz uma alternativa à dependência da água. Para o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo Bolsonaro, a MP vai prover o país de energia “para que a gente possa acelerar o nosso desenvolvimento, gerando emprego e renda”. Segundo ele, mesmo com a medida, o país vai continuar investindo em energias renováveis.
Veja Mais

17/06 - Governo autoriza importação de mais uma variedade de milho transgênico dos EUA
Regra que dá mais segurança à compra de grãos modificados de outros países também foi atualizada. Medida atende a pedido de criadores de aves e suínos, que enfrentam alta dos custos com ração. No Brasil, 96% da produção de milho já é de grãos transgênicos. No Brasil, 96% da produção de milho já é de grãos transgênicos. Alf Ribeiro/Estadão Conteúdo/Arquivo A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), do Ministério da Ciência, aprovou, no último dia 10, a importação de mais uma variedade de milho transgênico dos Estados Unidos (EUA). E, nesta quinta (17), publicou uma resolução normativa que dá segurança a compras de grãos modificados. O milho transgênico que foi autorizado é o DP-ØØ4114-3. Ele e seus derivados poderão ser usados na alimentação humana e para ração. Também foram permitidos a manipulação, o processamento, a comercialização, o transporte, a importação, a exportação, o armazenamento e o descarte desse milho. Em maio, outro milho geneticamente modificado dos EUA, o DAS-59122-7, foi liberado para importação. O presidente da CTNBio, Paulo Barroso, explicou em coletiva na tarde desta quinta-feira (17), que os dois milhos foram avaliados como seguros e que suas aprovações foram solicitadas por entidades da indústria de carne, que sofreu com a escassez de milho, usado em rações, devido a seca no Brasil. No Brasil, 96% da produção de milho já é de grãos transgênicos, e parte deles é liberada para consumo. Mas cada variedade que chega às prateleiras do supermercado precisa de autorização da CNTBio. Os milhos, assim como outros alimentos transgênicos, podem ser modificados de duas formas. A primeira é uma espécie de seleção natural, onde os grãos de duas ou mais variedades se misturam. Isso pode acontecer ainda no campo. A segunda é a alteração genética feita em laboratório. Neste caso, certas características são unidas em um só produto, como por exemplo, a resistência a insetos, com tolerância a herbicida, obtendo um produto com os dois benefícios. Uso na ração A decisão da CTNBio atende a um pedido feito em maio pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) por medidas que ajudem a reduzir os custos de produção dos criadores de frangos e suínos. Naquele mês, os preços do milho e do farelo de soja, que são a base da ração das aves e porcos, dispararam 100% e 60%, respectivamente, em relação a maio de 2020. Os dois grãos representam 70% dos gastos do setor. Frango, porco e ovo: por que preços podem subir mais Dentre as medidas solicitadas, estava o pedido de autorização para importar de tipos de milho transgênico que ainda não haviam sido aprovados pela comissão de biossegurança. Esse tipo de grão é mais barato do que os que o Brasil já compra, segundo o presidente da ABPA, Ricardo Santin. Também por causa da seca que o Brasil enfrenta, encarecendo a produção de rações, a indústria de carne solicitou as aprovações de dois tipos de milho transgênico dos EUA, avaliados como seguros pela CTNBio. Othon Abrahão, diretor de biotecnologia da Croplife Brasil, conta que o Brasil não é um grande importador de milho, mas, devido à alta do seu valor, a resolução permite aumentar a oferta de grãos no país e, por consequência, baratear a ração, reduzindo, assim, os custos dos produtores. Por consequência, a carne pode ficar mais em conta. O Brasil é o 3º maior produtor de milho, atrás dos EUA e China, mas a seca prejudicou a colheita nacional. Com o baixo volumes de chuvas entre abril e maio deste ano, a safra brasileira de milho será menor do que o esperado, nesta temporada. Atualização das regras A publicação da resolução normativa 32 nesta quinta substituiu a de número 24, dando mais segurança jurídica para o Brasil importar milhos modificados. De acordo com Ministério da Ciência, a normativa irá permitir que o Brasil importe grãos que foram cruzados naturalmente nas lavouras. Um milho, por exemplo, que foi resultado de um cruzamento natural de outros dois tipos de milho plantados em uma mesma lavoura. Antes, não estava claro se o Brasil podia trazer este grão. Outro exemplo é quando diferentes variedades de um mesmo grão são misturadas em uma mesma saca. Também não havia entendimento se o país poderia importá-las. Paulo Barroso conta que este tipo de mistura nas lavouras brasileiras acontece já há 15 anos e que a resolução também a regulamenta. Antes da resolução, qualquer carga que chegasse aos portos brasileiros teria os seus produtos avaliados e se fosse identificada uma mistura dos grãos, a carga não poderia ser entregue, explica Abrahão, da Croplife Brasil. Ele ressalta ainda que a resolução não amplia os tipos de grãos que podem entrar no Brasil, apenas não barra mais as cargas que chegarem de grãos naturalmente misturados. A decisão desta quinta também não abrange milho e soja modificadas geneticamente em laboratório, sendo assim, para entrar no Brasil, cada tipo ainda precisa de uma autorização individual da CTNBio. Apesar da medida não se tratar explicitamente da importação dos EUA, Abrahão explica que eles são o mais afetados por ela, já que produzem variedades diferentes de milho do que as do Brasil. Outros países que também são grandes exportadores, como a Argentina, plantam tipos de grãos que já cultivamos aqui e, por isso, não exigem que mais itens sejam regulamentados. Repercussão do setor A ABPA avaliou como positiva essa publicação. "A RN 32 tem entre, outros resultados, a viabilização da importação de grãos de polos extra-Mercosul, criando mais uma alternativa aos produtores de proteína animal do Brasil". Para o setor, com a viabilização técnica da importação deste milho dos EUA, aliada à isenção de tarifa de importação desse insumo, espera-se um arrefecimento gradual dos custo de produção. Já o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), Cesario Ramalho, disse que a entidade "enxerga com serenidade" importação de milho de países de fora do Mercosul, sobretudo dos EUA, "como reforço momentâneo ao abastecimento interno". "Em relação à transgenia, as decisões da CTNBio têm como base a ciência", afirmou. O presidente acrescentou que o "Brasil precisa de um plano estratégico, que tenha apoio direto do governo, de incentivo ao cultivo do grão". Trigo transgênico da Argentina No último dia 10, a CTNBio também discutiu a liberação da importação de uma variedade de trigo transgênico da Argentina. Mas, diferente do milho dos EUA, a comissão adiou a decisão para pedir informações adicionais para a empresa Bioceres, que criou o cereal modificado. A próxima análise está prevista para o dia 5 de agosto. O trigo transgênico leva o nome de HB4 e é resistente à seca e ao agrotóxico glufosinato de amônio. Organizações ambientais, agricultores e a defesa do consumidor enviaram um ofício a órgãos públicos denunciando falta de transparência do governo na discussão de liberação a importação do cereal. VÍDEOS: tudo sobre o agronegócio
Veja Mais

17/06 - Estrangeiro promove 1ª retirada da Bolsa em junho, mas saldo do mês segue positivo
Saque de R$ 350,1 milhões na terça-feira interrompe nove entradas diárias seguidas em junho. Painel do Ibovespa na B3 Paulo Whitaker/Reuters Os investidores estrangeiros promoveram a primeira retirada de recursos no segmento secundário da B3 (ações já listadas) deste mês, ao sacarem R$ 350,1 milhões na última terça-feira (15), interrompendo nove entradas diárias seguidas em junho. Os dados são da B3. Ainda assim, o saldo positivo de fluxo externo em junho segue positivo, mas caiu a R$ 12,695 bilhões — resultado de R$ 172,132 bilhões em compras e R$ 159,437 bilhões em vendas. No acumulado de 2021, o saldo líquido nessa conta é positivo, agora em R$ 44,075 bilhões. Também no dia 15, o investidor pessoa física injetou R$ 392,9 milhões líquidos na B3. Com isso, o saldo no mês permaneceu negativo, agora em R$ 1,909 bilhões. No ano, o saldo dos investidores individuais continua superavitário, em R$ 7,168 bilhões. Já o investidor institucional aportou R$ 21,6 milhões da B3 na terça-feira (15), na segunda entrada diária consecutiva e também do mês no segmento secundário. Em junho até o dia 15, o saldo nessa conta segue negativo, em R$ 11,419 bilhões. No ano, está deficitário em R$ 46,729 bilhões.
Veja Mais